domingo, 30 de novembro de 2008

"Fogaça da Feira, Uma Morte Anunciada."

Este titulo até pode parecer dramático, mas sinceramente acho que estou a ser muito melodioso.
A verdade é que não basta a Confraria da Fogaça, bem como a Associação dos Produtores Artesanais de Fogaça da Feira terem boa vontade para este maravilhoso doce concelhio não morrer.
É bom que a população e entidades olhem para a Fogaça como um doce em vias de extinção, caso não haja mudanças de atitude e de vontade por parte das entidades deste concelho nomeadamente Câmara Municipal.
A Fogaça da Feira que pouco as entidades patrocinam, vai estar reduzida a uma festa anual, que é a Festa das Fogaceiras ou como na gíria se usa no norte do concelho “os vinte das fogaças”.
A realidade do caso é tão grave que as próprias entidades ainda não se interiorizaram da verdadeira dimensão deste problema.
Vamos a ver a maior festa do concelho, que neste momento é a Viagem Medieval, o Feira Viva promove os produtos oriundos de fora do concelho em detrimento dos naturais de Santa Maria da Feira.
Como não podia deixar de ser a Fogaça da Feira, que toda a sua história está ligada ao castelo, vê-se desprezada em relação ao pão-de-ló de Ovar ou de Arouca, e porquê!!!
Por uma razão muito simples, se for doces ou produtos do concelho paga somente, e eu torno a repetir somente o dobro dos produtos não oriundos do concelho.
Agora eu sei o motivo dos produtores de doces naturais de Santa Maria da Feira optarem por vender doces regionais como o Pão-de-ló de Ovar, publicitando assim o concelho vizinho e apagando da memória dos Feirenses este doce inigualável que está em vias de ser certificado de seu nome Fogaça da Feira!!!???
Agora vou lançar novamente um repto à Confraria da Fogaça, ao Agrupamento de Produtores Artesanais da Fogaça da Feira, Câmara Municipal de Santa Maria da Feira e Juntas de Freguesia para criarem a Rota da Fogaça. Essa consistia na demarcação das padarias históricas associadas ao agrupamento, colocando sinaléticas personalizadas indicando a localização, o nome e história das mesmas, mais devendo ser criados complementos de divulgação dessa mesma rota, nomeadamente passeios turísticos, escolares e de idosos com o intuito de ensinar e de demonstrar a forma correcta de fabrico, passando pela melhor maneira de comer e saborear este doce regional.
Esta rota teria assim também como objectivo educar, e sensibilizar a população e turistas para a história e a gastronomia secular do concelho de Santa Maria da Feira.
Caso seja criada, a Fogaça não se cingirá a apenas um único dia, mas sim a todo o ano e desta forma esclarece-se os Feirenses e os demais visitantes para as verdadeiras características deste requintado doce, havendo um conhecimento mais alargado para sempre que tenhamos de adquirir para consumo próprio ou para dádiva uma fogaça da feira, não se compre gato por lebre, evitando manchar o nome e a história que o povo tanto lotou para prestigiar e afamar este tão nosso doce regional.

Por Ângelo Cardoso
in http://www.fabruima.blogspot.com/

Termas de S. Jorge no 2.º lugar do ranking nacional

(...)
"As Termas de S. Jorge já receberam mais de 3.500 termalistas, na época termal em curso, o que lhe vale o 2º lugar do ranking nacional, a nível do termalismo clássico, a seguir às Termas de S. Pedro do Sul, segundo dados estatísticos da ATP - Associação de Termas de Portugal, referentes ao 1º semestre do ano.

A renovação do balneário e a preocupação constante no desenvolvimento de protocolos rigorosos de saúde termal reflectem o reforço de posicionamento de S. Jorge, no panorama nacional.
Pela sua dinâmica, rigor e qualidade, as Termas de S. Jorge são cada vez mais um balneário de referência.As motivações de frequência são especialmente de saúde, mas também de bem-estar, estética ou simplesmente por motivos de descanso ou férias.
Neste sentido, as Termas de S. Jorge dispõe de programas personalizados, prescritos pela equipa médica hidrologista do balneário, à medida das necessidades de cada pessoa, em função da patologia ou seus objectivos.
Neste momento, as Termas de S. Jorge oferecem aos seus termalistas algumas vantagens financeiras de época baixa: preços especiais de época (desconto aproximado de 20%, em relação à época alta); desconto de 50% sobre o valor da inscrição, em séries mínimas de 14 dias de tratamentos, a realizar a partir do dia 15 de Novembro.
Para os actuais termalistas do balneário acresce ainda um desconto de 2%, como prémio de fidelidade.
Nesta época do ano, os termalistas poderão usufruir de um ambiente termal mais calmo, relaxante e muito personalizado".

In http://www.termas-sjorge.com

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

A Vila Termal de Caldas de São Jorge é Notícia! Parabéns!

A Vila Termal de Caldas de São Jorge é Notícia!
Parabéns!

Com a devida vénia do bissemanário TERRAS DA FEIRA 27 Novembro 2008
O Ginásio José Martins está de parabéns e os seus atletas!
Lúcia, seis anos, medalha de ouro na classe de benjamins, categoria mini-mosca!

Nicole, nove anos, medalha de ouro na classe de infantis, categoria mosca
Cláudia Silva, 15 anos, medalha de ouro na classe de juniores, categoria ligeiro!

Eduardo, nove anos, medalha de prata na classe infantil, categoria mini mosca!
Cidalino, 10 anos, medalha de prata na classe de iniciados, categoria mini-mosca!

Cláudia Moreira, 15 anos, classe de juniores, categoria meio-pesado!

Hugo Magalhães marcar, uma vez mais, a sua presença na Selecção Nacional de Taekwondo, que vai disputar o Torneio Internacional de Santarém da modalidade no próximo sábado, dia 29, em Salvaterra de Magos.

Com a devida vénia ao:

http://www.ginasiojosemartins.com




E que tal se o site da JF fosse actualizado???


quarta-feira, 26 de novembro de 2008

O Interesse Municipal...

Na Sexta-feira passada a Câmara Municipal, aprovou a isenção fiscal de uma empresa que vai ser construída nas imediações do Europarque alegando o interesse municipal do projecto de investimento.

Na segunda-feira neste Blog surgiu um texto do Sr. Arquitecto Pedro Castro e Silva que propõe uma Pousada de Charme para a “casa da Pines” e terrenos adjacentes.

Agora estão a perguntar, o que é que uma coisa tem a haver com a outra!!! A resposta é muito simples, como podemos procurara investidores interessados em desenvolver esta freguesia, que toda a gente já descobriu que passa pela criação de mais alojamento, e de alternativas hoteleiras, sem que sejam criadas condições de investimento. Todos os empresários hoteleiros sabem qual os valores fiscais para a construção de uma unidade hoteleira. Todos os empresários deste sector são bombardeados, com propostas quase irrecusáveis para se instalarem noutras freguesia e noutros concelhos. Como querem que alguém invista em Caldas de S. Jorge, sem que a autarquia local promova facilidades de impostos e de terrenos?!

Mais uma vez a Junta de Freguesia das Caldas de S. Jorge entrou muda e saiu calada desta assembleia. Mais uma vez não teve o sentido de oportunidade para exigir as mesmas condições para quem queira construir unidades hoteleiras na freguesia. Mais uma vez não viu definido o que a Câmara quer e deseja para o terreno da “Pines”. Eu tenho pena que esta Junta, que tanto empolou o seu poder de revindicação nunca tenha feito usou da palavra na Assembleia Municipal, limitando-se a ir levantar o cheque de presença. Julgo que está na hora da Autarquia terminar em definitivo com esta inércia, que é mais visível na exigência do concurso público do Ilha Bar. É hora do Presidente da Junta divulgar os empresários que tinha para a construção de unidades hoteleiras na freguesia, e dizer em concreto, que iniciativas já tomaram para trazer em definitivo esse investimento para Caldas de S. Jorge.

"Calda de laranja..."



Veja mais em http://www.kouzaselouzas.blogspot.com/

12.º FESTIVAL DE CINEMA LUSO-BRASILEIRO


No próximo sábado dia 29, pelas 21h30, no auditório da biblioteca municipal, terá início o 12º Festival de Cinema Luso-Brasileiro de Santa Maria da Feira. Na sessão de abertura, será exibido o filme Linha de Passe de Walter Salles e Daniela Thomas, que permitiu a Sandra Corveloni, receber o prémio de melhor actriz no Festival de Cannes.

Um evento a não perder.

Para mais informações, nomeadamente a programação, consultar http://www.cineclubedafeira.net/12festival/index.html


terça-feira, 25 de novembro de 2008

Musical e Exposição...

Musical e Exposição que conta com a presença da pintora Maria Isilda Correia da Silva Pinto, do conselho de S.M. da Feira.
Juntamente com vários pintores do Distrito.


segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Da memória à criação de uma forte identidade...

As cidades, como as civilizações, nascem, crescem, declinam e morrem quando lhes faltam os recursos que as mantêm vivas e, acima de tudo, quando não possuem um projecto de vida próprio.
A generalidade das cidades em que hoje vivemos, enquanto estruturas em permanente mutação, sofrem os efeitos das pressões submetidas pela sociedade, baseada na produção lucrativa e orientada para a sua maximização.
A diminuição do espaço disponível, nas suas zonas mais centrais, provoca o aumento do valor dos respectivos terrenos, ficando estes apenas ao alcance das actividades ligadas ao ramo imobiliário, relegando a primazia do espaço público para as periferias e, muitas vezes, para um segundo plano.
A cidade convencional é, portanto, estimulada a crescer irreversivelmente e a concentração da população que nela encontramos, corre o risco de viver com a inexistência de um espaço vital e humanizado, cada vez mais impessoal, onde as pessoas se acotovelam nos passeios (quando estes existem) e o transito automóvel invade todos os lugares.
Portanto, admitindo o sentido figurativo e mais amplo do termo “cidade”, entendo ser extremamente pertinente, neste período de conjuntura económica mais desfavorável e em que a promoção imobiliária é menos evidente, que haja um sério e amplo debate, no sentido de se encontrarem melhores soluções para a definição de uma filosofia de desenvolvimento e para o reforço da identidade desta imensa terra em que vivemos.
Como já dizia Ebenezer Howard em 1898, o pioneiro moderno da descentralização da cidade industrial, com a invenção da cidade-jardim, o pensamento sobre as vilas e cidades assenta em 3 princípios fundamentais:
- A terra devia pertencer à comunidade;
- Todas as pessoas deviam estar envolvidas no planeamento;
- Devia haver harmonia entre o espaço construído e o ambiente natural.
No caso específico de Caldas de S. Jorge, creio existirem condições para que, a prazo, se possa vir a transformar num “território modelo” no âmbito da região em que se insere. Que possa voltar a ser um local aprazível e um espaço procurado pelas mais variadas gentes.
Nos últimos anos, temos assistido à renovação de alguns equipamentos que, sem dúvida alguma, se traduzem num pilar fundamental para a crescente importância que esta terra pode assumir.
Exemplo disso, foram as obras de reformulação e ampliação do edifício das Termas, todas as obras de requalificação da sua área envolvente, a definição de um projecto de renovação do espaço “Ilha”, a reabilitação da Igreja Matriz, etc. Podemos ainda referir a potencial e eminente aprovação do novo centro de dia/noite no âmbito dos incentivos criados pelo governo central ou ainda o “irreversível” percurso pedonal que surgirá ao longo do Uíma.
Mas também jamais poderemos esquecer um dos maiores patrimónios que esta terra possui: a actividade industrial e económica ligada aos artigos de puericultura. Desde há várias décadas que, num esforço conjunto entre empresários e operários, gente mais abastada ou mais humilde, têm levado com o seu trabalho, o nome de Caldas de S. Jorge aos diferentes cantos do mundo. Esta é uma questão que importa realçar e, porque não, acarinhar de forma incessante. Não se pode evocar esta terra sem se falar da industria de puericultura.
Mas a identidade de Caldas de S. Jorge pode e deve ser ainda mais forte. Os projectos e os sonhos deverão ser, a breve prazo, transformados em realidade. Falo, obviamente, da definição de um programa operacional em torno da actividade Termal e Turística na área central da vila, da criação de um Parque Verde Urbano, da qualificação do espaço público, da requalificação da “Casa da Pines” enquanto “pousada de charme” e que possa catapultar a criação de condições reais para a instalação do hotel desejado, e da construção de um pequeno auditório associado a uma “casa/museu do brinquedo”...
Mas, para que isso seja possível, é preciso gerar-se discussões, debates, criar consensos e desígnios comuns. É preciso, acima de tudo, respeitar as pessoas.
Se isso acontecer, estou certo que por cá, e dentro de pouco tempo, se vai cometer o crime original: o da sedução.
Porque o sentido crítico da reversibilidade se revela cada vez mais poderoso...
Pedro Castro e Silva

domingo, 23 de novembro de 2008

PARABÉNS ! Calorosa e merecidíssima homenagem,

Acácio Ribeiro de Freitas

Com 80 Fevereiros

E 53 de sacerdote

Dos quais 50 de Paroquialidade

de S.Vicente de Louredo


A Paróquia com todas as suas forças vivas

Presta-lhe calorosa e merecidíssima homenagem,

Enobrecida pela presença de Sua Excelência Reverendíssima


O Senhor Bispo Auxiliar do Porto

D. João Lavrador

E pelos Colegas do Arciprestrado de Santa Maria da Feira.

PARABÉNS !

sábado, 22 de novembro de 2008

ADRITEM

EDITAL

SESSÃO PÚBLICA DE APRESENTAÇÃO DA ADRITEM

A FREGUESIA DE CALDAS DE S. JORGE ESTÁ INCLUÍDA NO TERRITÓRIO DE INTERVENÇÃO DA ADRITEM, DESIGNADO POR “TERRAS DE SANTA MARIA”, PELO QUE PODERÁ BENEFICIAR PELA PRIMEIRA VEZ DO MODELO DE GOVERNAÇÃO LOCAL SEGUNDO A “ABORDAGEM LEADER” E RESPECTIVO FUNDO EUROPEU AGRÍCOLA PARA O DESENVOLVIMENTO RURAL 2007-2013, ATRAVÉS DO SUB-PROGRAMA 3 DO PRODER. PELO QUE VIMOS POR ESTE MEIO, CONVIDAR TODOS OS POTENCIAIS BENEFICIÁRIOS DESTE PROGRAMA: POPULAÇÃO EM GERAL, ASSOCIAÇÕES, IPSS´s, AGRICULTORES, EMPRESÁRIOS E DEMAIS ENTIDADES DA FREGUESIA A PARTICIPAR NA SESSÃO PÚBLICA DE APRESENTAÇÃO DA ADRITEM E DO SUB-PROGRAMA 3 DO PRODER, QUE TERÁ LUGAR NO PRÓXIMO DIA 28 ÀS 21 HORAS NO SALÃO NOBRE DA JUNTA DE FREGUESIA DE CALDAS DE S. JORGE.

O PRESIDENTE DA JUNTA DE FREGUESIA

in www.jf-caldasdesaojorge.pt

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Ainda os contentores

Afinal, andam por aí, alguns “resfriados”.
Será o mesmo que dizer que, o assunto da instalação dos contentores cá pelas nossas bandas, continua a dar que falar.
Depois da novela do “instala não instala”, parece que agora, já existe poiso certo para os “luxuosos” escritórios dos engenheiros e engenheiras da Brisa.
Assim, sendo já considerada “uma das obras de referência” deste mandato, resta agora saber o que vai ser feito aos efluentes domésticos gerados por tão ilustres "imigrantes”.
Se este era um dos problemas apontados que justificava a existência de dúvidas quanto à oportunidade da instalação dos contentores na urbanização da colina, continuamos pois na expectativa da saber o que está pensado neste momento para o efeito (diz-se que será providenciado um pré-tratamento). Em boa verdade, a distância de poucas centenas de metros não faz esquecer o problema do saneamento.
Aguardam-se pois, as cenas dos próximos capítulos, nomeadamente a posição que tomarão todos os grupos ou partidos com assento na Assembleia de Freguesia.

Nota final: ouve-se por aí, em conversas de café, que quem terá lançado as suspeitas sobre a ligação clandestina dos esgotos das termas para o rio foi alguém com muitas responsabilidades na autarquia da nossa freguesia...
Terá sido com o objectivo de desviar as atenções relativamente ao caso dos contentores?
A ser verdade, será caso para dizer: oxalá tal coisa não lhe caia, de surpresa, novamente nas mãos ...

Terra dos Sonhos


quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Direcção das termas nega descargas poluentes no rio Uíma

Estância termal garante que as águas residuais e os resíduos orgânicos são lançados para rede pública de saneamento.

Bloquistas falam em “grave atentado ambiental” e pedem intervenção da tutela. Os resíduos orgânicos e as águas residuais do complexo das termas de Caldas de S. Jorge não estão a ser despejadas directamente para o leito do Rio Uima. É a garantia da administração da Sociedade e Turismo de Santa Maria da Feira, que gere o complexo termal, após uma denúncia, em forma de requerimento à Assembleia da República, do Bloco de Esquerda.
Leia mais na edição impressa do "Terras da Feira"

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

...à espera de grandiosas intervenções!!!


Pequenas soluções à espera de grandiosas intervenções.
Foram colocadas barreiras metálicas na Rua do Rio Uima!
Uma solução pobre,
Modesta.
De chapa.

Até tem chapa à espera de malhação de motoqueiros!?
Solução privisória de louvar!
Mas a grande solução está espera:
Alargamento da Rua para Avenida
com separador ao meio ajardinado,
com uma grandiosa ponte,
contendo por debaixo lojas turísticas
e quiosques,

a ligar à Rua António Henriques Ribeiro
com um lago ampliado
e passeios envolventes ajardinados!

domingo, 16 de novembro de 2008

Uma Aventura Nas Caldas 4

Prova de aventura nas caldas organizada pelo caldas s.jorge sport clube secção de atletismo, a primeira da época 2008 das provas de uma aventura, para mais informações e inscriçoes no site http://www.umaaventuraem.com/

sábado, 15 de novembro de 2008

Bronca do Saneamento das Caldas, debatido na Assembleia da Republica...

Bloquistas denunciam despejo no rio


O Bloco de Esquerda diz em comunicado que «todos os resíduos orgânicos e águas residuais do complexo das Termas das Caldas de S. Jorge, em Santa Maria da Feira, são despejados directamente no rio Uima». A deputada Alda Macedo questionou o Ministério do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional perguntando se os organismos tutelados pelo ministério «não detectaram estas descargas e que medidas estão previstas para solucionar este grave atentado ambiental».PODE VER AQUI...Após a denúncia feita no Blog Feirense KOUZAS E LOUZAS, O Bloco levou o caso à Assembleia da Republica e a Bronca instalou-se nos accionistas, pois não gostaram de ouvir este tema a ser debatido em S. Bento.
***********
Assunto: Descargas poluentes no rio Uima

Destinatário: Ministério do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional


Ex.mo Sr. Presidente da Assembleia da República

As Termas das Caldas de S. Jorge já receberam mais de 3.000 termalistas na época termal em curso, o que lhe vale a segunda posição do "ranking" nacional, a nível do termalismo clássico, a seguir às Termas de S. Pedro do Sul.
O Bloco de Esquerda teve conhecimento que todos os resíduos orgânicos e águas residuais do complexo das Termas são despejados directamente no rio Uima. O Rio Uima é um rio onde as descargas poluentes tem sido noticiadas com muita regularidade.
Assim, ao abrigo das disposições constitucionais e regimentais, requer-se ao Ministério do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional os seguintes esclarecimentos:

1. Se é do seu conhecimento de VEx.ªs a situação actual de descargas feitas pelo complexo das Termas das Caldas de S. Jorge?

2. Porque razão os organismos tutelados, pelo ministério que V.Exa dirige, não detectaram estas descargas?

3. Que medidas estão previstas para solucionar este grave atentado Ambiental?

Palácio de São Bento, 14 de Novembro de 2008.

Deputada: Alda Macedo

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

"BRISA's"

Existem, no contexto linguístico português, diferentes definições para a palavra “BRISA”.

Podemos, por exemplo, chamar “BRISA”, a um vento próximo da superfície do mar.
“A altitudes baixas (até uns 100 metros de altitude) os ventos locais são extremamente influenciados pela superfície, sendo deflectidos por obstáculos e zonas mais rugosas, e a sua direcção resulta da soma dos efeitos globais e locais. No começo do dia, o aquecimento do sol faz com que o ar estagnado no fundo, mais denso e pesado, comece a fluir ao longo das encostas sob a forma de ventos de vales. Há ainda o sub-grupo das “BRISAS marítimas”, em que as massas de terra são aquecidas pelo sol mais rapidamente do que o oceano, o ar em cima delas ascende e cria uma baixa de pressão no solo que atrai o ar mais fresco do mar. Ao cair da noite, há muitas vezes um período de calma durante o qual a temperatura em terra e no mar são iguais. De noite, como o oceano arrefece mais lentamente, a brisa sopra de terra, na direcção oposta, mas é geralmente mais fraca porque a diferença de temperaturas é menor”.

Podemos também falar daquelas “BRISAS” que se acentuam quando a “porta” não é fechada e começa a “conferenciar” com a janela de trás que, distraidamente, teima em ficar entreaberta. Popularmente talvez seja conhecida por “corrente de ar”.

E depois, temos a “BRISA”. A grande “BRISA”. A “BRISA” no verdadeiro sentido da palavra.

A “BRISA” que acredita ser “ possível responder às necessidades do presente, sem comprometer capacidade idêntica das gerações futuras”. Para isso, “aposta na responsabilidade social e no desenvolvimento sustentável das suas actividades empresariais”.

Mas há mais. Essa “BRISA”, a verdadeira, tem como primeiro objectivo (ver www.brisa.pt), “Criar valor para os accionistas e para a comunidade”.

Pois claro. O primeiro objectivo não é “Desenvolver um relacionamento transparente com os stakeholders”; não é “Prosseguir objectivos de melhoria da eficiência e da eficácia”. O primeiro objectivo não é “Contribuir para o ordenamento do território e o desenvolvimento sustentável do país”, nem tão pouco “promover o bem-estar social (interno e externo)”, nem ainda “observar e desenvolver, voluntariamente, requisitos e projectos de qualidade na perspectiva da conservação da natureza”.

Não. O primeiro objectivo da “BRISA” é… “Criar valor para os accionistas…”.

Por isso, aqui está uma verdadeira questão para reflectirmos, neste tempo de alguma “corrente” que está a atingir Caldas de S. Jorge. Do meu humilde espaço onde (sobre)vivo, do meu espaço que tive e tenho de continuar a pagar à banca (não mo entregaram de mão beijada para habitar…), do meu humilde espaço que teve de responder ao cumprimento das mais elementares regras de construção, do meu humilde espaço que possui uma ligação à rede de saneamento (rede essa que não funciona) e cujo ramal e utilização eu tenho de pagar a peso de ouro a uma senhora que se chama “Indáqua”, quero transmitir-vos que sou um daqueles indivíduos que posso afirmar:

- NÃO DEVO NADA À BRISA!

Na verdade, não tenho que me curvar perante quem me cobra uma fortuna para circular nas suas concessões, permanentemente em obras (determinas vezes a proporcionar perigo a todos os automobilistas) e sem cumprir a sua verdadeira missão. Na verdade, não tenho qualquer obrigação de contemplação por quem possui quadros técnicos e administradores que recebem mais num mês do que eu durante 2 ou 3 anos. Não tenho que ajudar quem, ao fim de meia dúzia de meses à frente da gestão dessa “BRISA”, consegue auto-garantir milionárias reformas, saídas, em parte, do bolso de todos os contribuintes: dos que possuem carro, dos que só andam a pé, dos que preferem as auto-estradas ou dos que só podem circular em caminhos de cabras.
Por isso, apelo ao bom senso na avaliação dos prós & contras deste súbito interesse da “BRISA” pelas Caldas de S. Jorge.

Claro que talvez possam vir. Mas que venham de boa fé e num respeito pelas pessoas que cá habitam.

Parece-me claro, apesar de (eles) “não nos conhecerem” quando circulamos nas suas estradas, que ninguém se oporá à sua instalação na nossa freguesia. Desde que, num respeito pelas pré-existências e, evidentemente, em local apropriado. Ou seja, AFASTADOS DAS ÁREAS HABITACIONAIS.

Para que se possam evitar… indesejáveis “correntes de ar”!


GUGA.GAGO
(este texto é da inteira responsabilidade do seu autor)

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Brisa impedida de descarregar pré-fabricados...

Contra pretensão da Junta de Freguesia
Loteador não permite arrendamento de terreno, que cedera para equipamento


A Brisa não pôde descarregar ontem nas Caldas de S. Jorge os pré-fabricados para os escritórios que servirão de apoio à construção da A-32. Faltava a autorização do promotor do loteamento onde está a parcela de terreno que a Junta de Freguesia havia arrendado à Brisa por quatro anos. De resto, já estão instaladas as estruturas de suporte dos pré-fabricados. O presidente da Câmara não vê inconveniente, por tratar-se de escritórios e não haver movimento de materiais. Leia mais na edição impressa do "Terras da Feira"
Presidente da Câmara diz não ver inconveniente, porque não há movimento de quaisquer materiais.
in terras da feira online.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Festa do Teatro...

Festa Velha
Em tempos idos quando chegava ao conhecimento dos rapazes da nossa terra o “noivado” de um viúvo com uma rapariga mais nova, organizavam aquilo que se denominava por “Festa Velha” e que decorria durante alguns dias, próximo da casa do “noivo” a coberto da noite.
A festança consistia numa assuada barulhenta, tocando búzios, cornos, gaitas, bater pandeiros e latas velhas, cantando ou proclamando estribilhos vários de condenação ao “velho”.
Este costume de condenação pública que por vezes também se aplicava ao casamento dos velhos, por vezes chegava a gerar conflitos sérios e a melhor forma de os evitar era deixarem correr a festa (os homenageados) ou então juntar-se mesmo á dita acabando por desmobilizar os festeiros.
Situações havia em que chegava a ser organizado (em termos figurativos) um funeral do noivo encerrando com a queima do caixão.
É esta tradição que o Rancho Folclórico “As Florinhas” vai recrear nos próximos dias 14 e 15 de Novembro pelas 21:30 horas na zona envolvente das Termas em Caldas de S. Jorge, convidando todos os interessados em reviver mais uma tradição já caída em desuso na nossa Vila Termal.

De mencionar que esta iniciativa será levada a cabo com a colaboração do nosso Grupo de Teatro LOS, que também organiza uma noite de teatro com um grupo convidado, que se realizará no próximo dia 22 de Novembro pelas 21:30h, na sede do Rancho Folclórico “As Florinhas” de Caldas S. Jorge, com entrada livre.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Noticias Breves da Semana…

Esta semana ficou marcada por duas notícias;

1- A Assistente Social retirou duas crianças aos pais que residem no bairro social, enviando-as para Lisboa. Segundo se diz os pais estão impedidos de visitar as crianças até elas completarem 18 anos.

2- Foi lançado um engenho explosivo na direcção de um café das Caldas de S. Jorge, na qual terá falhado o alvo e foi parar direitinho à casa vizinha. A GNR foi chamada e andou a apanhar os restos do engenho, tomando nota da ocorrência. Dizem as testemunhas que foi visto um carro de alta cilindrada a largar o engenho e a circular em grande velocidade.

Vandalismo Nas Caldas de S. Jorge…

Estes dias apareceu no muro de uma casa da Quinta da Dº Inês, uma seta a apontar para a Quinta e a seguinte frase na frente “SEXO”. Nas fotos ainda são visíveis esses grafismos, apesar de o proprietário já ter andado a lavar o muro.

"Não podemos pensar no futuro de mãos vazias"

Entrevista
Vítor Hugo, presidente da Direcção do CS Jorge


"Quando não houver capacidade financeira para o que fazemos, não restará outro caminho que não fazer o que outros fazem."





In Terras da Feira Online.

domingo, 9 de novembro de 2008

Blog Apoia a Cultura…"ZÉ CARLOS"

Zé Carlos, Recentemente dedicou-se à música, tendo já composto vários originais, em que pode ser ouvidos AQUI. Vale a pena ouvir este jovem caldense que é conhecido por Tita…

sábado, 8 de novembro de 2008

CONTENTORES - Apenas 10 Perguntas!!!


Pelo que se conseguiu apurar, poderá não estar completamente assegurada a instalação dos “CONTENTORES” da Brisa na “Urbanização da Colina”.
Efectivamente, sabe-se que a empresa promotora da urbanização fez já chegar aos responsáveis camarários, a sua posição em relação à iniciativa promovida pela Junta de Freguesia.
Relembra-se que a Junta de Freguesia, a troco da beneficiação de algumas pavimentações de ruas, pretende que o terreno público, existente na Urbanização da Colina, venha a albergar um vasto número de contentores onde funcionarão(iam) os escritórios da Brisa no apoio à futura construção da A32.

Este é um daqueles casos que, sinceramente, merece uma ampla discussão. Pensamos até que seria motivo para ser marcada uma assembleia de freguesia extraordinária uma vez que está em causa a utilização de um terreno público bem como a existência de eventuais contrapartidas para a freguesia.

Por isso, deixamos no ar as seguintes questões:

1- Sendo o terreno em causa um espaço destinado a equipamentos públicos, será possível admitir uma utilização diferente da prevista?
2- A Câmara deu autorização?
3- Caso isso venha a acontecer, não será um caso em que os anteriores proprietários podem requerer o direito de reversão?
4- A Junta de Freguesia terá legitimidade para assumir contratos de concessão daquele terreno público?
5- Caso sejam lá instalados os contentores, para onde irão os esgotos?
6- Como reagirão os potenciais compradores de lotes ou de habitações naquele urbanização? Será positivo conviver lado a lado com contentores e estaleiro durante 3 ou 4 anos (ou mais)?
7- Não haveriam outros terrenos disponíveis, em locais com menor impacto?
8- A Junta não possui terrenos?
9- As estruturas partidárias e os seus eleitos na Assembleia de Freguesia não dizem nada?
10- A população de Caldas de S. Jorge não merece saber o que esta em jogo com este súbito interesse pela freguesia?

Sendo certo que nenhuma das estradas a construir passará por Caldas de S. Jorge, aguardamos a posição e a decisão dos decisores.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Adeus Até Um Dia...

É com grande tristeza que anuncio o início de um tempo de reflexão, sobre a minha participação no CALDAS DE S. JORGE BLOGSPOT.

Posso dizer, que foi quase dois anos de grande alegria, de muita dedicação e de alguma amargura.

Posso dizer, que ganhei amigos, perdi aqueles que diziam ser amigos, e fiz a paz com inimigos.

Posso dizer, que foi um projecto de várias pessoas, que me surpreendeu pela grandiosidade, e pela dimensão que atingiu, jamais esperada.

Posso dizer, que a simplicidade como cresceu, como foi divulgado, como foi temido, e mesmo como foi odiado, jamais me esquecerei.

Posso dizer, que foi o verdadeiro choque tecnológico da freguesia, que quase dois anos após o seu início ainda tinha muito para dar.

Posso dizer, que durante este tempo publicou-se 1293 artigos, é muito para quem esperava pouco.

Podia dizer muito mais, mas chegou a hora de outros dizerem e eu escutar...

Tenho de dizer que chegou a hora, de um Administrador sair, ficarão outros para continuar. Lamento que a Autarquia Local não tenha sabido aceitar opiniões diferentes, lamento que tenham usado como moeda de arremesso profissional e pessoal. Lamento que certos cidadãos entendam que Liberdade é sinónimo de Anarquia. Lamento que não entendam as regras básicas de cidadania, nomeadamente o respeito pelo outro e pela liberdade intelectual.

Tenho que agradecer, às centenas de pessoas que sempre nos visitaram. Uma palavra muito especial aos imigrantes, que desde o inicio usaram este espaço, para combater a solidão, a saudade e a falta de informação da terra. Um abraço especial ao Nelinho, que foi desde o inicio uma fonte de inspiração; Outro abraço ao Chico, que nos acompanha de Angola; Não podia deixar de falar do Beto da Austrália; Por fim ao Tonita, que recentemente descobriu o Blog.

Agora uma palavra especial a alguém que foi muito especial:

- Abade António Machado (ATM) “O blog teve o seu início numa critica ao Abade das Caldas, Pessoa de uma sabedoria grandiosa e com uma força de vida inexplicável”

- José Pinto da Silva “Uma pessoa que abraçou este projecto, lançando-o na imprensa local, dando seriedade ao mesmo. A única pessoa que nunca teve mede de dar a cara pela opinião, Um Muito Obrigado”

- Pedro Castro e Silva “Sem comentários, existem amigos que nunca se esquece”

- Desassossegada “foste durante muito tempo a fonte da minha inspiração, obrigada por me teres aturado”

- Zouvineiro “Nada a dizer”

- Ângelo Pedrosa “Aquele amigo, que sempre colaborou, Obrigado por tudo”

- Shrek “Que se pode dizer de um Verde Feio!!! Só se pode agradecer todo o apoio que deu a este Blog, respeitando desde sempre as identidades, bem como as colaborações entre ambos. Aprendi muito, é um verdadeiro mestre na arte de “Blogar””

- Correio da Feira “O Jornal que mais divulgou o Blog, nunca teve vergonha nem receio de escrever a fonte da notícia. Desde o início considerou este Blog sério e com fontes seguras. Obrigado por tudo”

- Terras da Feira “O jornal que mais eu copiava noticias e vice-versa, só com uma diferença, o Blog identificava a fonte e eles não. Continuem a escrever sobre as Caldas.

- A todos aqueles que não identifiquei, mas que ficaram sempre no coração. Continuem com este projecto, que logo que possa, TALVEZ volte, mas nunca mais será como dantes...Talvez pior...Para muitos, nomeadamente a autarquia local será uma felicidade enorme a minha retirada, para outros talvez não. Nasce e Morre, talvez nas Caldas morra mais do que nasce...

Ângelo M.M. Cardoso.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Novo Prazo Para o Ilha Bar…

Não há falta de interessados na exploração do Ilha Bar

Preparativos do processo de concurso da exploração do estabelecimento “estão a ser ultimados”.

Não será por falta de interessados que a construção do novo “Ilha Bar”, Caldas de S. Jorge, se deixará de fazer. É essa a convicção do presidente da Junta local, José Martins, que é sustentada na procura de informações que se sucedeu ao anúncio da aprovação, pela Câmara e Assembleia Municipal, dos termos do concurso público para a concessão da exploração daquele equipamento, que inclui a sua construção, de acordo com o projecto elaborado pelos serviços do Município.
In Terras da Feira Online

Suma Já Trabalha na Freguesia…

A suma já se iniciou a limpeza da Freguesia.

Esta manhã era visível cerca de 8 funcionários a procederem à limpeza na zona do Lago.

Após várias queixas quer do Blog das Caldas quer da População, sobre o estado lastimosos em que se encontrava a freguesia, no que se refere à limpeza das valetas, parece que a autarquia sempre pressionou para que as mesmas fossem limpas.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

AVISO...

Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências 12º Ano
Estão abertas as inscrições para Reconhecimento, Validação e Certificação
de Competencias equivalências ao 12º Ano.
Para proceder à mesma devem dirigir-se a Junta de Freguesia

Campo relvado botado ao abandono…


Depois dos mamarrachos como a Fabruima, Casa da Pines, temos o recente campo relvado, tudo em estados abandonados e lastimosos.

Agora deve-se perguntar, depois de tanto dinheiro gasto, será que foi um bom investimento?

As fotos falam por si…

domingo, 2 de novembro de 2008

Notícias breves...

Governo anuncia nacionalização do BPN

O Governo acaba de anunciar que vai propor à Assembleia da República (AR) a nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN).(Notícia)

É sabido que uma empresa sedeada em Caldas de S. Jorge, é uma das grandes accionistas deste Banco, Pode ver quem é a empresa de S. Jorge aqui...Jornal de Negócios Online

Brisa já mexe na freguesia…

Já se iniciou os preparativos que antecedem a instalação dos contentores de escritórios da Brisa nas Caldas de S. Jorge.

Já é visível na foto que já se deu inicio às movimentações no terreno, estando para breve a colocação dos contentores. Segundo se sabe, a escolha do local foi baseado na proximidade do nó da auto-estrada da Feira, bem como do futuro nó de Canedo.

sábado, 1 de novembro de 2008

Feliz Aniversário...


Os Administradores e colaboradores deste blog vêm por este meio desejar os sinceros parabéns a este nosso amigo e administrador do Caldas de S. Jorge Blog.

Exmo. Sr. Abade, António Teixeira Machado (ATM), esperamos que continue no nosso meio e no ceio da nossa amizade, por muitos e muitos anos, e que Deus lhe dê força e espírito para continuar com essa dinâmica e alegria que sempre nos presenteia.

Um abraço fraterno destes amigos,

Brisa constrói escritórios em Caldas de S. Jorge…

A Junta de Freguesia, alugou um terreno na “Urbanização da Bébécar”, para a Brisa montar uns contentores, que vão funcionar como escritórios para a futura A32.

Segundo o que Blog sabe, esses equipamentos vão ficar a serviço da Brisa por 3 anos, sendo que a Brisa irá pagar uma renda e beneficiará a freguesia com algumas infra-estruturas, nomeadamente alcatroar estradas.

Ao que parece, nestes contentores vão trabalhar perto de trinta pessoas diárias, tendo inclusive segurança privada.

Sabe-se que este protocolo foi inicialmente reprovado pela Câmara Municipal, tendo havido várias diligências por parte da autarquia local, que fez com que a Câmara aprovasse o projecto.

SEGUIR O BLOG POR E-MAIL