quinta-feira, 29 de julho de 2010

FOSSADO - Viagem Medieval 2010



A Juventude Inquieta vai marcar presença neste espectáculo!

Todos os dias de 30 de Julho a 8 de Agosto, pelas 23h30 na Terra da Fronteira (junto ao rio Caster)


"
Fossado
Recriação de batalha na Terra de Fronteira

A nova área temática Terra de Fronteira vai ser palco de um espectáculo de grande formato, que vai recriar um ataque a um acampamento árabe por um grupo cristão. Uma recriação que envolve cerca de duas centenas de actores e figurantes, e que promete surpreender.


Até aos anos quarenta do séc. XII, as batalhas contra os infiéis em terras de fronteira estavam longe de ser combates bem organizados e com objectivos bem definidos de conquista. Durante o período da estiva faziam-se cavalgadas ao longo do território inimigo, associadas a rápidas e inesperadas investidas, originando razias e devastações, não dando hipótese ao inimigo de se organizar.

"

in viagemmedieval.com

A não perder!!

Homenagem à Escola de Música da Vila Termal de Caldas de São Jorge

Homenagem à Escola de Música da Vila Termal de Caldas de São Jorge.
Possui esta Vila Termal de Caldas de São Jorge desde há longa data uma Escola de Música que sem espalhafato , no Silêncio , Dedicação e na Arte se tem desempenhado no Ensino, Execução Instrumental e Canto e não deixa meças a Instituições similares.
Por ela se empenharam ao que é sabido Fernando da Silva Valinho e de Saudosa Memória os Senhores José da Silva e Professor Camilo.
Agora o Jovem Arquitecto Pedro Nuno Castro Silva conduz o Facho Olímpico Musical e Artístico nesta Vila Termal de Caldas de São Jorge!
espectáculo a não perder no Centro Paroquial esta noite!
Parabéns!

  width="425" height="344">

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Época de Incêndios

O governador civil de Aveiro José Mota, prometeu uma maior fiscalização a par de um maior número de acções de sensibilização junto das populações para prevenir incêndios.


Tendo-se reunido, com o presidente da Câmara Municipal, Alfredo Henriques, e com o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS), foram avaliadas medidas com o objectivo de pôr termo a um “conjunto anormal” de focos de incêndio registados em cinco freguesias do município feirense.

De acordo com os dados disponibilizados pelo Governo Civil de Aveiro, desde Janeiro até ao início de Julho registaram-se 219 focos de incêndio no município feirense, número que representa 36% das ocorrências no distrito.

Caldas de S. Jorge, Canedo, Pigeiros, Romariz e Vale são as freguesias do concelho de Santa Maria da Feira mais afectadas pelos incêndios.

O governador civil de Aveiro considera que é fundamental reforçar a comunicação entre as diversas instituições, sensibilizar ainda mais a população para o perigo das queimadas e aumentar as acções de fiscalização.
“Se há criminosos, eles que se acautelem. Vamos cair-lhes em cima”, avisou José Mota.

Embora não tenha concretizado a forma como esta medida punitiva iria ser implementada e apesar da muita insistência de Alfredo Henriques, José Mota limitou-se apenas a olhar repetidamente de esguelha para o vereador do Urbanismo.
Se por acaso o leitor é, ou pensa vir a ser pirómano, o Blog sugere-lhe que antes mesmo de dar início à sua actividade criminosa, esteja particularmente atento ao espaço aéreo para não se deixar surpreender.

Sobre as causas dos incêndios, o presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, Alfredo Henriques, adianta que “há suspeitas que é preciso aprofundar”, tendo um destacado elemento da CDOS, levantado de imediato o dedo para falar, para dizer que "na sua opinião, os fogos eram ateados com recurso a isqueiro" e que apesar de ainda não ter na sua posse dados concretos, tratava-se apenas de um palpite.
Esta intervenção fez com que dois agentes da PJ presentes o tivessem de imediato manietado para lhe colocarem na cabeça um tubo de cartolina azul com orelhas de burro coladas, acto que viria a merecer da parte de todos os presentes um forte aplauso.

Apesar do elevado número de incêndios no Concelho, segundo o autarca salienta, “os efeitos não têm sido gravosos, graças à rápida intervenção das corporações de bombeiros”, e porque também, segundo o Blog apurou, as pessoas fogem a tempo.

Alfredo Henriques alerta os proprietários dos terrenos para a importância e obrigatoriedade da limpeza das matas junto aos aglomerados urbanos, zonas industriais e eixos viários. O autarca reitera ainda o apoio da Autarquia na limpeza dos caminhos florestais, para facilitar o trabalho dos bombeiros em caso de incêndio.

A reunião solicitada pelo governador civil de Aveiro realizou-se a 9 de Julho, no auditório do Museu Convento dos Lóios, e contou com a presença de autarcas, bombeiros, GNR e Policia Judiciária.

Algumas coisas In “ site da Câmara”

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Quem os entende? Venham.. e escolham!


pra ajudar a desmoer...

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Por Outras Terras... São Torcato Guimarães...

As Obras de São Torcato sempre acabaram.
se bem que as pedras últimas e artes esculturo arquitectónicas
não são pedras
mas revestimentos de lageado pétrico!

terça-feira, 20 de julho de 2010

- Administradores Demissionários ??

Não sei o que poderá ter estado na base desta decisão, mas sempre direi que numa qualquer escala de valores, tolera-se melhor uma vitória de “porcos” ( e acreditem que não me refiro a nenhum facto recente em particular ) do que ….dizia eu, se tolera uma vitória de “badalhocos”… sejam eles de língua ou mesmo de espírito. Na realidade, quando acontece este tipo de vitória, os danos são incomensuravelmente mais lesivos para o bem comum do que no primeiro caso.


Ao longo destes últimos anos, através de um natural processo de familiarização progressiva, habituei-me a encontrar neste espaço de tertúlia, vastos motivos de empatia para com as gentes desta terra, como certamente aliás deve ter acontecido com muitos outros leitores, que aquém e além fronteiras, acompanharam e participaram mais ou menos regularmente com os seus comentários nos diferentes conteúdos que aqui foram sendo postados.

Nesse sentido o Blog das Caldas representa ainda hoje para todos nós, uma espécie de cordão umbilical que nos liga afectivamente a esta terra e a partir do qual nos é permitido compreender melhor as diferentes sensibilidades que aqui vão sendo expressas sobre as mais variadas matérias, sejam elas de índole política ou de qualquer outra índole.

Ora, como sempre acontece nestas andanças, tendemos a ignorar o trabalho árduo a que habitualmente os mentores destes projectos estão sujeitos e por isso, independentemente das palavras de reconhecimento que obviamente todos lhes devemos, parece-me que esta é uma excelente ocasião para sermos agora nós a reconhecer de forma clara e inequívoca a dedicação que estes emblemáticos administradores do Blog demonstraram ter ao longo destes anos e que nós, leitores e colaboradores, nem sempre lhes soubemos reconhecer convenientemente.

No que me diz respeito, faço votos de que possam vir a repensar a vossa continuidade à frente dos destinos do Blog, propondo a que todos os leitores sem excepção, que usem o espaço de comentários deste post, para manifestarem o vosso voto de concordância em sinal de apoio. Para tanto, basta apenas que indiquem o vosso nome.

Despeço-me por hoje com um pequeno poema do livro que ainda não escrevi e que se intitula “ Caldas de S. Jorge desconhecido”- o paradigma da infertilidade.

Começa assim :

“… reza uma lenda antiga
Que por estas bandas vivia
Um pobre dragão, coitado
Que tinha problemas d’azia
E segundo o povo dizia
Por ser feio ou mal ajeitado
O fogo que o bicho cuspia
Era do porco mal passado.
(…)
E foi S. Jorge, o guerreiro
a mais a sua cavalgadura
que com divina precisão
para lhe apagar o isqueiro
lhe espetou uma lança dura
onde lhe batia o coração
matando a pobre criatura
só pra consolo da povoação.



Até já

bettencourt

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Grandiosas Festas ...São Jorge e Santo António

Grandiosas Festas em honra
de São Jorge
E Santo António
na Vila Termal de Caldas de são Jorge


quinta-feira, 15 de julho de 2010

POR MIM...2007 - 2010


Como outrora Ângelo Cardoso nos avisou, “o povo das Caldas nem o Blog quer”. Temos de reconhecer que tinha razão, por isso, chegou ao fim…
Caso outros queiram escrever, tem toda a liberdade, mas da nossa parte ACABOU..
Administrador do C.S.J.
Zouvineiro

Mais um aliado na luta contra o aterro sanitário!

Comissão para a Defesa do Ambiente - Caldas de S. Jorge e Pigeiros

A Comissão para a Defesa do Ambiente – Caldas de S. Jorge e Pigeiros é um grupo de trabalho que tem como objectivo acompanhar toda a temática referente ao aterro sanitário e lutar contra a possível localização em Caldas de S. Jorge e Pigeiros.

Esta comissão foi criada pela Assembleia de Freguesia de Pigeiros, tendo sido posteriormente aberta a cidadãos de Caldas de S. Jorge e outras freguesias vizinhas. Nesta fase, são cerca de dezena e meia de homens e mulheres que, estimando as suas terras, resolveram fazer-se à estrada.

Este grupo de trabalho está vocacionado apenas para a temática da possível localização do aterro sanitário em Caldas de S. Jorge e Pigeiros.

A possível localização do aterro sanitário em Caldas de S. Jorge e Pigeiros está a preocupar e a indignar os habitantes destas freguesias. De facto, não se consegue entender como foi possível pensar-se neste local como aceitável para este equipamento.

As termas de S. Jorge estão em perigo, sendo o seu futuro negro. Ninguém entende e aceita usufruir de umas termas com um aterro a “meia dúzia de metros”. E outros equipamentos estão também em perigo, como a zona de lazer da Várzea, os hotéis na zona, entre outros. A enorme desflorestação proposta (tendo em conta também o PERM), o fim da qualidade das linhas de água existentes, os maus cheiros habituais e indisfarçáveis, a descomunal circulação de camiões, o abandono do rio Uíma como potencialidade ambiental e turística e o fim de toda esta zona como área de apoio às termas são também e naturalmente preocupações de todos os seres pensantes.

Este grupo participou na recolha de assinaturas do abaixo-assinado em Caldas de S. Jorge e Pigeiros e encetou uma série de reuniões com partes envolvidas neste processo, destacando-se a que teve com o IDAD, da Universidade de Aveiro, nos finais de Maio, entre outras iniciativas.

Durante estes dias, esta comissão está a distribuir panfletos para informar a população da real situação e dos perigos que daí podem resultar.

Comissão vai executar e apoiar outras iniciativas que visem o esclarecimento da população das duas freguesias bem como de outros interessados nesta questão e a constante pressão do poder político, e outros, no sentido de se afastar esse equipamento desta zona.

A Comissão Para a Defesa do Ambiente – Caldas de S. Jorge e Pigeiros trabalhará em conjunto organismos políticos que defendam esta causa, como as Juntas de Freguesia, bem como com outros organismos, instituições e associações com idênticos propósitos.

O trabalho desta comissão não é contra ninguém, apenas contra o aterro sanitário em Caldas de S. Jorge e Pigeiros.

A Comissão para a Defesa do Ambiente – Caldas de S. Jorge e Pigeiros

terça-feira, 13 de julho de 2010

Protocolo assinado para o arranque do Centro de Noite ( Lar de Idosos) da Vila Termal de Caldas de São Jorge


Protocolo assinado para o arranque do Centro de Noite ( Lar de Idosos) 
da Vila Termal de Caldas de São Jorge levado a efeito no Centro Distrital da Segurança Social Aveiro.
Pelas 12.00 horas do dia 13 de Julho Sala Cheia 
irrompe pela Sala informalmente engalanada a Senhora Ministra da Segurança Social 
e do Trabalho Helena André aguardada   
por Sua Excelência o Governador Civil de Aveiro José Mota
a Presidente do Centro Regional Helena Terra,   
um grande número de Presidentes de Direcções de Instituições, 
de IPS e Fundações,  convidados, pessoal de Serviço Dr. Manuel Ruivo 
e António Gil, o homenageado Dr. Celestino que arrancou 
uma calorosa salva de palmas do público ali presente.
Após  sintéticos e apropriados discursos dirigiram 
a palavra a Presidente da Direcção Distrital Helena Terra, seguida do Senhor Governador Civil José Mota e a da Senhora Ministra Helena André. 
Foram breves, pertinentes, alusivos e agradaram a todos os presentes.
No âmbito do POPH ( Programa Operacional  Potencial Humano) 
no Eixo Prioritário 6 – Cidadania, Inclusão 
e Desenvolvimento Social nas vertentes de Auxílio  e Socorro à Deficiência,   
ao Neuromuscular, Idosos,  abandono escolar… 
são criados no Distrito de Aveiro mais cerca de 4.420  postos de trabalho num lançamento de verbas de cerca de 19.000.000.00€ a ser gastos até 2013 termo do POPH da CEE.
À Fundação Centro Social Paroquial de São Jorge são atribuídos a passar de 1.000.000.00€.
Presentes à assinatura do protocolo os elementos da Direcção: Presidente, Vice-Presidente e Secretário!
Uma boa notícia do ATM para amortecer e Renitência do Calvário e para que São Jorge e Santo António nos alegrem!

CARNAVAL DE VERÃO…

Um verdadeiro sucesso, uma iniciativa a repetir…

Carnaval_de_Verão_2010_002[1]

DSC01380[1] Carnaval_de_Verão_2010_010[1] Carnaval_de_Verão_2010_045[1] Carnaval_de_Verão_2010_018[1] Carnaval_de_Verão_2010_054[1] Carnaval_de_Verão_2010_050[1] DSC01336[1] DSC01334[1] DSC01375[1]

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Sem comentários!!!

“Futura Lixeira das Caldas de S. Jorge, Sempre a Arder”

12072010031[1] 12072010030[1]

Caldas de S. Jorge teve mais fogos num só mês, que durante os últimos anos…

Por incrível que pareça, é sempre no mesmo local, “ a futura lixeira de Caldas de S. Jorge Pigeiros”. Não quero dizer que existe ligações no caso, mas que é coincidência isso é…

12072010030[1]

Suldouro adjudica Estudo de Impacte Ambiental do aterro à DHV

A Suldouro entregou à empresa DHV a elaboração do Estudo de Impacte Ambiental da duas localizações alternativas apontadas num trabalho desenvolvido pela Universidade de Aveiro para a instalação do novo aterro sanitário. A empresa escolhida tem um longo histórico na realização deste tipo de estudos, alguns dos quais de grande complexidade, como os do novo aeroporto de Lisboa, de um troço do TGV e do prolongamento da Linha Vermelha do Metro de Lisboa (Estação do Oriente/Aeroporto).
“A seriedade, o rigor e a transparência que a Suldouro empresta a toda a sua actividade e a este projecto em particular, impunham a escolha de um parceiro credível e credenciado como a DHV” - opina Nuno Pinto, presidente do Conselho de Administração da Suldouro, citado numa nota à imprensa.
Caldas de S. Jorge/Pigeiros e Canedo foram as localizações que resultaram do estudo de selecção dos locais com potencial para acolher este equipamento que servirá os concelhos de Gaia e Santa Maria da Feira. Localizações que agora serão analisadas nas suas vertentes de Geologia/Geotecnia, Hidrogeologia, Hidrologia, Património, Ecologia, Ambiente Sonoro, Paisagem e Socioecomomia, tendo como objectivo analisar e avaliar a significância dos impactes, bem como a gestão e minimização de impactes, tendo ainda em conta a questão levantada pelas populações relativa ao estudo e análise dos eventuais impactes cumulativos.
Nuno Pinto refere que se trata de “mais um passo com vista ao procedimento formal de avaliação de impactes ambientais, que suportará a tomada de decisão técnica final”.
Leia mais na edição impressa do "Terras da Feira"

sábado, 10 de julho de 2010

Junta de Freguesia começa a mudar as cruzes!!!

Fotomontagem do kouzas e louzas
A Junta de freguesia começou hoje a retirar as guias, para futuramente mudar as cruzes para a berma da estrada…

Segundo ordem do tribunal, a Junta de Freguesia tem até o dia 12 deste mês (segunda-feira) para retirar três cruzes, de terreno privado.

Ao que o Blog sabe, o caso poderá não terminar por aqui. Segundo o proprietário do terreno (Dr. Raul), o local escolhido para a recolocação das cruzes, também apanha terreno do mesmo, o que poderá levar a nova mudança a curto prazo.

É caso para dizer “GRANDE CRUZ TEM ESTAS CRUZES”…

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Viagem Medieval na Feira espera mais de 500 mil visitas

Cerca de 700 mil euros serão gastos na  14ª Viagem Medieval da Feira que promete este ano espectacularidade. O evento, considerado a maior referência do concelho, escapou aos cortes orçamentais ditados pela crise e apresenta 14 novas recriações históricas.

Transformar a Viagem Medieval numa mega produção digna de uma realização cinematográfica ao vivo é o objectivo da organização deste evento que recria anualmente episódios da história medieval. Custará 700  mil euros.

De 29 de Julho a 8 de Agosto o centro histórico de Santa Maria da Feira revive, nesta edição, as lutas de poder travados pela rainha D. Teresa e seu filho Afonso Henriques.

“Queremos que a Viagem Medieval seja cada vez mais vista como um filme por episódios” realça o responsável pela empresa municipal Feira Viva, Paulo Sérgio Pais que, com a Câmara e com a Federação das Colectividades, organiza o evento.

Um “filme” que, pela primeira vez, vai ter narração e momentos de pausa nas representações. “Vamos paralisar as cenas para explicar ao público o que está a acontecer” explicou Paulo Sérgio Pais. Os pormenores não foram deixados ao acaso e até os cartazes promocionais denunciam os cuidados de imagem, típicos dos usados pela sétima arte na promoção das películas.

A “Tomada do Castelo” e “Terra de Fronteira”, esta última onde vão estar instalados, lado a lado, um acampamento cristão e outro árabe, prometem ser duas das recriações que prometem revalidar com as películas cinematográficas sobre a idade média.

A espectacularidade do evento tem trazido nos últimos anos mais de 500 mil visitantes à Feira. Por isso, o presidente da Câmara, Alfredo Henriques, garante os cortes financeiros provocados pela crise não se vão fazer sentir na iniciativa. “Hoje é impensável não realizar a Viagem Medieval”. “É o evento que maior volume de negócio traz para as associações e comércio local. É um investimento com retorno garantido” disse.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Três bombeiros feridos em acidente

Salomão Rodrigues

Cinco bombeiros voluntários de S. João da Madeira foram vítimas de um acidente de viação, nas Caldas de S. Jorge, Santa Maria da Feira, quando seguiam numa viatura todo-o-terreno para o combate a um incêndio. Três foram hospitalizados.

O acidente ocorreu cerca das 14 horas. Os bombeiros de S. João da Madeira encontravam-se no combate a um incêndio nas Caldas de S. Jorge, quando foram chamados para outro fogo, na Freguesia de Romariz.

Na viagem pela estrada nacional (EN 223), no Lugar do Lago, zona de declive e de curva acentuada, a viatura que transportava os cinco elementos entrou em despiste percorrendo cerca de 30 metros sem a roda traseira direita, com o eixo cravado no asfalto a servir de travão. A roda com a jante partida só parou cerca de uma centena de metros à frente.

"Podia ter acontecido uma tragédia muito grande. Mas tiveram sorte de o jipe ter parado no meio da estrada sem ter capotado ou batido noutra viatura" contou, ao JN, uma das testemunhas, ainda abalada com o sucedido.

O comandante dos Bombeiros Voluntários de S. João da Madeira, Normando Oliveira, afirma que não há, de momento, certezas sobre as causas do acidente, O responsável  prefere, por isso, esperar pela conclusão do inquérito, que será efectuado ao longo da próxima semana.

Sobre os sinistrados adianta que "três bombeiros ficaram feridos, mas estão conscientes". "Um deles apresenta suspeita de fractura do fémur, mas nenhum parece correr perigo", acrescentou.
As vítimas foram socorridas por INEM, bombeiros da Feira, Arrifana e S. João da Madeira.

No local recordava-se a tragédia ocorrida há cerca de três anos, na mesma estrada, a cerca de 50 metros daquele local e que vitimou um jovem bombeiro de Arrifana.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Cruzeiros da polémica transferidos para o domínio público

O “caso” do Calvário das Caldas de S. Jorge irá resolver-se com a colocação dos três cruzeiros da polémica na guia da rua da Junqueira, em pleno domínio “público”, como refere José Martins, o presidente da Junta de Freguesia, após confirmar que a autarquia foi condenada em tribunal por ocupar uma parcela de terreno pertencente a Raul Ferreira da Silva.
O caso remonta a 2003, quando foi elaborado o projecto para o Calvário – a obra iniciar-se-ia em 2008 -, que incluía o alargamento daquela artéria. O ponto da discórdia entre a autarquia e Ferreira da Silva prendia-se com o estatuto do bocado de terra que tem os três cruzeiros. A Junta diz que o terreno foi doado, no âmbito da autorização para a intervenção na rua. O proprietário, concordando que colaborou naquele melhoramento, nega peremptoriamente que tenha doado aquela parte. O autarca reconhece, no entanto, que não há documento que sustente a pretensão autárquica.
Segundo a decisão judicial, a Junta de Freguesia das Caldas de S. Jorge terá de desocupar a parcela até ao próximo sábado. José Martins adianta que vai transferir os cruzeiros para a guia, mantendo-os com “vista” bem próxima para o terreno de Raul Silva, mas não revela quando o fará.
“Aquilo era um caminho e, agora, é uma estrada. Cedi terreno, mas não cedi o terreno todo” - sublinha Ferreira da Silva. Realça ter herdado o imóvel de seu pai e afirma a vontade de o deixar para os seus filhos. E, visivelmente agastado com a Junta, nega qualquer hipótese de conciliação.
José Martins, por seu lado, considera que o alargamento da rua da Junqueira, no qual colaborou o proprietário, recorde-se, implicava a cedência do terreno. E, sempre reconhecendo não ter base documental para a pretensão de propriedade, revela, contudo, que no início do seu mandato como presidente, após as intercalares de 2007, recebeu de Silva a confirmação da dádiva: “disse-me, de caras, que doou”. Na sua opinião, o médico “embirrou com os cruzeiros”, tendo, ainda, acrescentado que o advogado do mesmo lhe terá dito que, retirados os tais, “talvez se conseguisse um acordo”.
O “TF” falou, também, com Carlos Paiva, durante muito tempo, e até 2005, secretário da autarquia local. Paiva, também assumindo que não existe um documento a comprovar a doação, confirma contactos nesse sentido mantidos com Raul Ferreira da Silva. “Verbalmente, chegou a dizer que cedia aquele terreno” - testemunha.
Leia mais na edição impressa do "Terras da Feira"

DIVAGAÇÕES E CONGRATULAÇÕES….

Não estou certo de que a minha opinião possa ser relevante para as questões que pretendo abordar neste post, queria no entanto começar por dizer que me congratulei com o post da congratulação.

Por outro lado, já não me congratulei com o post, que foi postado a seguir ao post da congratulação e que também é, lá no fundo, um post de congratulação só que neste caso de congratulação para com o Abade Resende.

Não quer isto dizer meus caros, que o sr. Abade não mereça ser congratulado, bem pelo contrário, sou de opinião que devemos congratular todos quantos sem o propósito de serem congratulados, apresentam obras susceptíveis de merecerem as nossas maiores congratulações.

A questão que fez com que não me tivesse congratulado com o post em questão, deve-se unicamente ao facto de que esse post que congratula o sr. Abade Resende tem de comprimento aproximadamente 1,20 m, sendo que apenas 37 cm do post, mais coisa menos coisa, é que traduzem as tais merecidas loas ao congratulado e no que respeita aos restantes 82cm são de desnecessária ( porque descontextualizada ) congratulação à fauna e à flora que por lá aparece apensa.

Certo é meus caros, que por ter sido de propósito ou por não ter sido de propósito, o post de congratulação ao sr Abade Resende, acaba por remeter para o esquecimento rápido o tal outro post de congratulação com o qual me congratulei e que está na génese deste meu post, que é em última análise, um post de análise ao post da congratulação.

Dito isto,

1 - A Iniciativa do PSD em submeter a apreciação da Assembleia um do voto de congratulação, é politicamente correcta. Apesar de desnecessária sob o ponto de vista do conteúdo, na medida em que não produz nenhum efeito prático que seja enriquecedor da causa, quer dizer, não trouxe nem acrescentou nada de novo a não ser uma - submissa (?) – ( e neste ponto sou capaz de estar de acordo com o autor do post ), uma submissa, dizia eu, manifestação pública de reconhecimento para com uma obra que, segundo palavras do exmo presidente da Câmara. “…tem uma história”.

Permitam-me neste ponto uma achega, mas é que de facto não consigo vislumbrar aqui nas Caldas nenhuma obra recente que não tenha produzido por arrasto, uma história. E não me refiro aquelas histórias tipo novela mexicana que pendem em dado momento do enredo para o melodrama .Não. O facto é que a verdadeira história do ilha, ainda mal começou a ser contada e o drama, ( que não é melo) parece ter sido escrito no pressuposto de que houve areias na engrenagem, quando na realidade e apesar de isto ser mais difícil de o admitir, é a própria engrenagem que vem funcionando à base de areia. À tempo de mais.

Em todo o caso, o “ZIP ZIP REST CAFFE” , merece todos os elogios que lhe são dirigidos e a freguesia, no que respeita à requalificação do espaço, sai claramente a ganhar com este empreendimento. Não surpreende portanto a orientação de voto dos presentes na Assembleia de Freguesia.

E só porque estamos a analisar o post da congratulação, permitam-me que acrescente que não faz sentido nenhum enunciar um compromisso para com o desenvolvimento do turismo no concelho e ao mesmo tempo apregoar alto e bom som, os duvidosos benefícios que um parque de sucatas, pode trazer ao concelho. O único factor de interesse turístico que o PERM poderia potenciar, seria eventualmente uma mostra de arte contemporânea, sob o sugestivo mote “ the urban crash car”, ou então proporcionar em alternativa um ciclo de palestras a ocorrerem ali na recta de Pigeiros, subordinado ao recentemente comentado tema “o salpico do petróleo” tendo José Vaz e Pinto da Silva, como principais oradores.(com o devido respeito)

Uma breve nota sobre o Calvário, porque o post já vai longo.

Compreende-se a indignação do Padre Machado. Eu sou solidário com a sua pretensão e por isso mesmo não me atrevo sequer a questionar a forma como exprime a sua indignação.

É certo que a lei deve prevalecer, no entanto não me parece nada errado que o nosso padre se bata por um Calvário que dignifique e engrandeça a freguesia.

Tem sabido, noutras ocasiões igualmente polémicas que assolaram a freguesia, como foi o caso da BRISA, intervir no sentido de acautelar os interesses de todos nós.

É óbvio que nas questões de forma, é aos autarcas que cabe encontrar uma solução rápida e eficaz para o problema. E se o PS vem sendo acusado de ser nesta matéria, parte do problema, pela suposta influência que exerce sobre o “Lauzinho”, não sei se legitima ou ilegitimamente, eis que é chegado o momento de se assumir como parte “determinante” da solução. Os superiores interesses da freguesia, assim o exigem.

Ou como diria S.jorge se fosse vivo - …” que P….de freguesia”

Até já

bettencourt

sábado, 3 de julho de 2010

Continuação: Sabia.. da Pequena Junqueira!!!

Continuação:
Sabia que em 24 de Agosto de 1869 foi publicada a lei da confiscação dos passais?
Sabia que em 1885 foi cumprida a lei da confiscação nos passais de São Jorge?
Sabia que por lei o passal de São Jorge tem 40.000 metros quadrados?
Sabia que o Lameiro da Negrinha - Campo do Lameiro (Lameiro da Negrinha) foi compulsivamente vendido 14 de Outubro de 1885?
Sabia que o dito terreno do Dr. Raul é a Junqueira Pequena!
Sabia que as Medidas da Junqueira:
De Norte a Sul 270 varas (1 vara = 11 dm = 1,10 m; 270xl,10 m = 297 m);
comprimento do nascente para poente 300 varas ou seja 330 m;
da parte do norte do nascente para poente ao través tem 100 varas = 110 metros
e que a sua posse usurpada foi ganha em tribunal pelo Abade Inácio António em Porto 31 de Agosto de 1802?
Sabia que o Campo do Lameiro
(Lameiro da Negrinha)
14 de Outubro de 1885
Carta de venda de uma terra lavradia
e mato chamada Campo do Lameiro que arrematou José António dos Santos.
Tudo como se declara
Dom Luís, por graça de Deus, Rei de Portugal e dos Algarves. Faço saber que esta carta de pura e irrevogável venda virem que procedendo as diligências, anúncios e solenidades da Lei e estilo, arrematou em hasta pública no Governo Civil do Distrito de Aveiro no dia 14 de Outubro de 1835, José António dos Santos,
(da Sé de S. Jorge, residente no Porto), pela quantia de quinhentos mil reis, na conformidade da Lei de vinte e oito de Agosto de 1869, a seguinte propriedade que pertencia ao Pároco da freguesia de São Jorge e sob o número dez foi posta à venda na lista cinco mil novecentos e vinte e quatro, a saber Concelho da Feira – Uma propriedade de terra lavradia, chamada Campo do Lameiro ( Lameiro da Negrinha), próxima das Caldas, com água de rega e merugem da preza , sita no funda da Mata do Passal e assim chamada; confina ( no lugar da Sé S. Jorge) marcos, poente
( linha de texto incompreensível…). António Moreira Alves Ribeiro do nascente com o Campo da Negrinha, (do norte) do mesmo passal, divida por…. e do sul com o rio e o tanque das Caldas. E tendo o arrematante satisfeito no cofre central do distrito no dia 26 de Outubro de 1835 o preço da arrematação em metal e em 24 na recebedoria do indicado concelho a quantia de quarenta e cinco mil e quatrocentos e dez reis de contribuição do registo, seis por cento adicionais e sello como consta dos respectivos recibos. Hei por bem transmitir-lhe por irrevogável e pura venda toda a posse e domínio que na referida propriedade tinha o dito pároco para que o arrematante, seus herdeiros sucessores a governem, possuam, desfrutem como própria. Pelo que mando a todos os ministros, justiças e mais pessoas a quem conhecimento desta carta haja de pertencer que sendo por mim assinada de chancela e referendada também de chancela, pelo ministro e secretário do Distrito e regedores da freguesia na conformidade do decreto de 25 de Novembro de 1853 e competentemente selada e registada nos livros respectivos a cumpram, guardem e façam inteiramente cumprir e guardar sem dúvida ou embargo algum e que o administrador do concelho da Feira sendo-lhe esta apresentada depois de exarada a verba de ficarem anotadas na repartição de fazenda do distrito assentos relativos à dita propriedade faço dar posse dele ao arrematante de que se lavrará autos para todo o tempo constar a referida venda.
Lida a vinte e oito de Novembro de mil e oitocentos e cinco.
M Reis
Carta de venda de uma terra lavradia e mato chamada Campo do Lameiro
(o número dez )que arrematou José António dos Santos.
Tudo como se declara
Nota:
Terreno de implantação da Termas
Esta área sofreu da usurpação dos bens à Igreja de São Jorge na época do Liberalismo.
Carta de venda de uma terra lavradia e mato chamada Campo da Negrinha que arrematou José António dos Santos.
Tudo como se declara
Campo da Negrinha
14 / 10 / 1885
Dom Luís, por graça de Deus, Rei de Portugal e dos Algarves. Faço saber que esta carta de pura e irrevogável venda virem que procedendo as diligências, anúncios e solenidades da Lei e estilo, arrematou em hasta pública no Governo Civil do Distrito de Aveiro no dia 14 de Outubro de 1885, José António dos Santos, pela quantia de trezentos e cinquenta e um mil reis, na conformidade da Lei de vinte e oito de Agosto de 1869, a seguinte propriedade que pertencia ao Pároco da freguesia de São Jorge e sob o número onze foi posta à venda na lista cinco mil novecentos e vinte e quatro, a saber Concelho da Feira – Uma propriedade de terra lavradia e mato, chamada o Campo da Negrinha, com água de rega da preza da Mata, confina do nascente com o largo da Sé, do poente com a propriedade d o Lameiro, do norte com terra lavradia de Ana Maria, viúva e do sul com o caminho das Caldas. E tendo o arrematante satisfeito no cofre central do Distrito no dia 26 de Outubro o preço da arrematação em metal e em 24 na recebedoria do indicado concelho a quantia de trinta e um e mil e oitocentos e trinta e oito reis de contribuição do registo, seis por cento adicionais e sello como consta dos respectivos recibos. Hei por bem transmitir-lhe por irrevogável e pura venda toda a posse e domínio que na referida propriedade tinha o dito pároco para que o arrematante, seus herdeiros sucessores a governem, possuam desfrutem com própria. Pelo que mando a todos os ministros, justiças e mais pessoas a quem conhecimento desta carta haja de pertencer que sendo por mim assinada de chancela e referendada também de chancela, pelo ministro e secretário de estado de negócios a fazenda na conformidade do decreto de 25 de Novembro de 1853 e competentemente sellada e registada nos livros respectivos a cumpram, guardem e façam inteiramente cumprir e guardar sem dúvida ou embargo algum e que o administrador do concelho da Feira sendo-lhe esta apresentada depois de exarada a verba de ficarem anotadas na repartição de fazenda do distrito assentos relativos à dita propriedade faço dar posse dela ao arrematante de que se lavrará autos para todo o tempo constar a referida venda. Lida a vinte e oito de Novembro de mil e oitocentos e cinco.
M Reis
Carta de venda de uma terra lavradia e mato chamada Campo da Negrinha (número onze ) que arrematou José António dos Santos.
Tudo como se declara
Nota:
Terreno de implantação da Termas
Esta área também sofreu da usurpação dos bens à Igreja de São Jorge na época do Liberalismo.
O comprador - arrematante de nome José António dos Santos da Sé
( este o comprador ) casou com Leopoldina dos Santos 1875, do Porto e teve como filho o Dr. Arnaldo Santos, era filho de António José dos Santos da Sé e Maria Rosa de Lobão com quem casou em 1840,
António José dos Santos era filho do casamento em 1797 de António José de Souto Redondo e de Teresa Maria da Sé.
Resumo de uma sentença referente da pertença
da Junqueira à Igreja de S. Jorge.
De uma questão e julgamento entre o Abade Inácio António da Cunha contra os réus João Lopes Guimarães e sua mulher Gertrudes Maria de São José.
Ano de 1802.
Autor: Inácio António da Cunha de S. Jorge.
Abade da Igreja.
Réus: José Lopes Guimarães e mulher Gertrudes Maria de São José.
Libelo de raiz de um terreno:
Confrontações: Nascente – Pedaço de monte da Igreja de Pigeiros.
Poente - com o caminho que vem de Arcozelo para a Igreja.
Norte - Com um monte e um souto da mesma Igreja.
Do sul - com o monte maninho dos moradores do lugar da Sé.
Assunto:
De monte contíguo à Igreja
Souto Valinho e pedaço nascente
Medidas: De Norte a Sul 270 varas (1 vara = 11 dm = 1,10 m; 270xl,10 m = 297 m); comprimento do nascente para poente 300 varas ou seja 330 m; da parte do norte do nascente para poente ao través tem 100 varas = 110 metros;
Os réus saíram condenados no tribunal da Relação do Porto, depois de ter transitado da comarca da Feira para essa mesma relação.
Sentença final a favor da entrega do terreno e passal à Igreja de S. Jorge.
Os réus "larguem ao autor e sua Igreja a posse do prédio de que se trata com os seus rendimentos. ".
Pagariam 6. 965 reis no prazo de vinte e quatro horas.
O abade pagará 2.400 reis.
Porto 31 de Agosto de 1802
Largura. 297 metros,
Comprimento. 330 metros,
De través 110 metros
Nota:
Esta área sofreu também da usurpação dos bens à Igreja de São Jorge na época do Liberalismo e Anticlericalismo primário em Revolução Francesa requentada.
Sabia que o Campo da Bola nem tem qualquer destaque jurídico
e que tudo o que o Reverendo P. Domingos fez ficou sem efeito por parte de entidade canónica e o mesmo arrastou a saída precipitada e rocambolesca deste freguesia.
Bem como não existe destaques para a Sede da Junta, Posto Médico etc.
Sabia que o actual Pároco Beneficiário da Área desmarca-se de tudo o que passou
e declina para a Cúria Diocesana ulteriores diligências.
Sabia que o actual Pároco e Paróquia desconhece qualquer negociata e ajuda “ ajustada para enganar palermas” por parte do Campo da Bola?
E tudo lhe é alheio.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Abade Resende dos Santos em 35 anos Deixa, apresenta obra feita e vasto palmarés de solidariedade, progresso, inovação, criatividade,

Abade Resende dos Santos em 35 anos
Deixa, apresenta obra feita
e vasto palmarés de solidariedade,
progresso, inovação, criatividade,
desenvolvimento humano,


religioso, patrimonial e local na Vila
laboriosa, artística  e moderna de Argoncilhe.
Nascido a 20 de Março de 1930
e ordenado Presbitero a 01 de Agosto de 1954,
Chegado a esta terra 30 de Março de 1075
Numa época difícil da “ revolução dos cravos”
( e outros na ferradura e na ditadura )
 assentou  que nem uma luva nesta terra
que o acolheu, recebeu e  colaborou.
Vindo de uma Freguesia ( Mosteirô e deixando lá obra feita para a posteridade)vizinha da sua Terra Natal,
 
Souto da Feira assume a paroquialidade da mesma Vila de Argoncilhe
Com coragem, decisão e ampla visão
de futuro  invejável num Abade
e louvável num Pároco abre caminhos de futuro.
Inicialmente acantonado numa Igreja Matriz
e residência contígua uma alma grande ,
uma inteligência rara não podia ficar
aconchada  à sacristia e presbitério!!!
Portanto mais alto e mais além.
Da reduzida área recebida do seu antecessor
lança ombros arrojadamente  
com alguns paroquianos argoncilhenses
à aquisição de amplas áreas de terreno
para cima de 40.000 metros quadrados ,
mais de 4 hectares onde implantou após restauro da Residência Antiga para fins , uma moderna e confortável Residência de raiz,
um Centro Social Paroquial com todas  as Valências
com mais trinta funcionários (as),
Um Campo da Bola para a Juventude
E agora um moderno Centro de Noite
ou Lar de Idoso para mais de 50 clientes.
Ficando cada cliente  ao preço de obra feita por cerca de 50.000 Euros!
O Abade Resende dos Santos não brinca em serviço!
PARABÉNS A ELE E À SUA OBRA!

Fica mal este espantalho escultórico no meio de uma futura Avenida frente à Igreja Matriz da  Mui Briosa Vila de Argoncilhe.

SEGUIR O BLOG POR E-MAIL