sábado, 30 de outubro de 2010

È Pau, é Pedra...é o fim do caminho !

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Matrizes de Nogueira da Regedoura e nas Igrejas Marizes ou de Fiães ou de Caldas de São Jorge ou Vergada!!!

Concerto de CRISTOBAM de MORALIS (Séc. XVI)
Nas Matrizes de Nogueira da Regedoura
e  nas Igrejas Marizes ou de Fiães ou de Caldas de São Jorge ou Vergada
Vai ser promovido no dia 14  de Novembro
Dois concertos: Um à Tarde e Outro à Noite
Nas Matrizes de Nogueira da Regedoura
e  nas Igrejas Marizes ou de Fiães ou de Caldas de São Jorge ou Vergada.
Durante o mês de Novembro a Diocese do Porto
está a organizar uma série de concertos com a a temática "Morte e esperança".
Neste âmbito, e de acordo com os requisitos deste evento,
o Grupo vocal "Gaudium Vocis" propõe-se a realização
de um concerto de música sacra polifónica com o seguinte programa:
CRISTOBAM de MORALIS (Séc. XVI)
Oficio de Defuntos - excertos
Requiem a 5 vozes
É promotor entusiasta o Jovem  Rui Fernando Soares
Natural de Fiães, concelho de Santa Maria da Feira,
Rui Fernando Soares iniciou os estudos musicais
aos 10 anos de idade na classe de Trompete de Sérgio Moreira,
na Escola do Grupo Musical de Fiães,
cuja Orquestra  integrou após dois anos de frequência.
Então estudou piano com Nuno Regal;  simultaneamente,
interessou-se pelo Órgão, aprendendo como autodidacta
e ocupou o lugar de organista da sua Paróquia. Mais tarde,
 fundou e dirigiu o grupo de câmara Compasso Clássico,
sendo em 2005 convidado para director do Coro Gregoriano de Espinho.
           
Ainda muito novo, foi admitido como excepção (com 14 anos)
na Escola de Ministérios Litúrgicos da Diocese do Porto,
onde frequentou o Curso de Música Sacra na vertente Órgão.
Em 2006 concluiu o III Curso Nacional de Música Sacra
com alta classificação na vertente Direcção. Em 2005,
concluiu com 20 valores o Curso de Órgão
no Conservatório Regional de Gaia
sob orientação do Prof. Luca Antoniotti.
Prossegue os estudos com o mesmo professor
no Curso de Música Sacra da Escola das Artes
da Universidade Católica Portuguesa. Paralelamente,
realizou o Curso livre de Cravo da ESMAE (Porto)
com a Prof.ª Ana Mafalda Castro. 
Frequentou vários seminários e cursos
de aperfeiçoamento sob a orientação de insignes mestres,
entre os quais se destacam Roman Peruki (Música Barroca),
Jorge Matta (Direcção de Coro),
Florin Totan (Direcção de Orquestra),
Goerchel (Canto Gregoriano),
Olivier Latry (Interpretação de Música Francesa para Órgão),
Franz J. Stoiber
e Daniel Roth (Interpretação de Música Romântica para Órgão).
Actualmente, desempenha funções de organista nas Igrejas de Fiães,
Carmelitas, Nossa Senhora da Conceição (Marquês)
e Matriz de Espinho.
Tem-se apresentado em numerosos concertos,
quer como acompanhador, quer sobretudo como solista.
Em 2006, gravou um CD na Igreja Matriz de Espinho
com o trompetista Manuel Luís Azevedo.


Estacionamento perfeito, limpo .. e antiroubo!

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Uma Tarde em Grande na Vila Termal de Caldas de São Jorge. 8º Dia do Idoso!

Uma tarde em Grande na Vila Termal de Caldas de São  Jorge.
Uma Festa dedicada aos Jovens crescidos e experientes.
Iniciativa da Juventude inquieta.
Parabéns!
O 8º Dia do Idoso
Programa cheio e criativo.
15.00 horas Celebração a Igreja Matriz se encheu  
de gente de mais anos com alegria reflectida nos seus rostos,
Música, Palavra e Comunhão.
Presidiu o Pároco, orientou a Celebração com toda a desenvoltura
e excelente desempenho que lhe é peculiar
Pedro Valinho  e solenizou com Cânticos
e Música a Juventude Inquieta.
Terminada a Celebração seguiu-se no Salão de Actos
Uma Peça teatral: “ Filhos Criados Trabalhados Dobrados”
Onde se espelhou o estro teatral da Juventude Inquieta brilhou
Sónia Oliveira.”marido e filhos” e “amigos (as) da família”
Seguiu-se a actuação da “Associacição Cultural e Recreativa
Danças e Cantares das Margens do Rio Uima.
Ultrapassou todas as expectativas. Parabéns!
Tudo terminou em sadio lanche convívio esmeradamente
Preparada pelos (as) anfitriões ( ãs)  do Evento,
Onde não faltou o bolo do 9ºAniversário da Juventude Inquieta.
Parabéns!
Evento e Iniciativa a continuar!

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Congresso Missionário no Porto em 23 e 24 de Outubro

Congresso Missionário no Porto em 23 e 24 de Outubro
  
A caminho da actividade de referência do mês de Outubro no próximo fim-de-semana,
que é o Congresso Missionário, o director do Secretariado Diocesano das Missões,
P. Almiro Mendes, alerta para o prolongamento das inscrições do Congresso até ao dia vespertino do mesmo (dia 22),
dado que acredita que ainda se realizarão muitas inscrições à última hora.
Até o dia 16 estavam inscritas cerca de 180 pessoas,
sobretudo de institutos religiosos e movimentos missionários.
O P. Almiro exorta para uma participação das paróquias,
onde de momento ainda se regista uma adesão lenta,
acreditando haver paróquias que porventura não deram conta
da realização deste grande evento
e que se realiza já nos dias 23 e 24 de Outubro,
na Casa Diocesana de Vilar (Porto), subordinado ao tema:
«Porto, vive a Missão, rasga horizontes».
Esclareceu ainda que não há número limite de inscrição para cada paróquia
(que pode ser feita via correio ou via internet:  http://www.diocese-porto.pt/),
podendo inscrever-se todas as pessoas interessadas.

Programa do Congresso
Recorde-se aqui as intervenções / conferências que terão lugar ao longo do Congresso,
para além de outras acções de igual importância.
Dia 23: 10h, “Fundamentos Bíblico-Teológicos da Missão” (D. António Couto);
11h30, “Grandes marcos, métodos e teologias na história da Missão” (D. Manuel Clemente); 14h30, “Perspectivas actuais da Missão (P. Manuel Durães);
16h, “Painel Rostos da Missão” (Testemunhos de Missionários que trabalham nos vários continentes);
18h30, “Igreja no tempo da Cidade” (Hélder Pacheco);
19h, “Igreja, que dizem de ti?” (Pedro Olavo);
21h30, “Outra Igrejas, a mesma Missão” (D. Fernando, Bispo da Igreja Lusitana).
Dia 24: 9h, “Comunicação Social e Missão” (Cón. António Rego);
14h30, “Leigos e a Missão” (Painel de Experiências Missionárias Ad Gentes);
16h15, “Paróquia e Missão” (Painel de experiências paroquiais de Missão);
18h, “Missão 2010 - Que frutos? Que futuro?” (D. Manuel Clemente).
De destacar ainda a solene Eucaristia do Dia Mundial das Missões, no dia 24 às 11h,
na Catedral do Porto, em transmissão directa pela TVI.
Será presidida pelo Bispo do Porto.

O que foi a Tenda do Encontro?
Nos primeiros dias de Outubro esteve uma grande tenda montada na Praça da Liberdade, denominada “Tenda do Encontro”,
promovendo de facto encontro com as várias pessoas,
 crentes ou não crentes,
que por ela iam passando ao circular pela baixa portuense.
Formas diferentes de oração
e adoração foram preenchendo esses dias,
com vários grupos distintos da Diocese a orientar
esses respectivos momentos.
Como foi noticiado na Agência Ecclesia,
este foi “um espaço aberto a pessoas
e também a cânticos, orações
e conversa onde a serenidade
e a alegria também tiveram lugar.
Esta foi a proposta que começou no centro da cidade,
mas que ao longo do mês é replicada
em cada paróquia
ou bairro habitacional”.
Eis alguns dos encontros ocorridos…
No dia 2 de Outubro animaram a Tenda cerca de 60 jovens
Vigararias de Oliveira de Azeméis e de S. João da Madeira,
 bem como um grupo de jovens da Verbum Dei.
No dia 4, a exemplo do que acontece mensalmente na igreja S. José das Taipas,
o Secretariado Diocesano da Pastoral Juvenil do Porto
foi convidado a proporcionar uma noite de oração de Taizé.
Mesmo perante uma noite fria,
foram várias as pessoas que se reuniram para rezar
ao modo desta espiritualidade única,
com a particularidade de nesse dia se celebrar
a memória obrigatória de S. Francisco de Assis.
O P. Almiro manifestou que nesta Tenda,
espaço da Missão,
 “é o amor que importa proclamar, na singeleza da oração,
no encanto dos cânticos, na beleza do silêncio”.
E, ao despedir-se dos presentes,
invocou a bênção “a vós todos que perseguis a felicidade que mereceis.
Sede todos muito felizes!”.

A iniciativa “Cristos na cidade”,
que reúne imagens construídas pelas comunidades cristãs,
encontra-se já exposta na estação do metro de S. Bento,
no Porto,
onde permanece até ao dia 14 de Novembro.
Merece uma visita.
(Autoria de ANDRÉ RUBIM RANGEL,  VP)

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Faleceu o Dr. António Pinho Ferreira


EM MEMÓRIA

. Para os conterrâneos da sua geração era o “Tono da Isabel”.
Foi tão curta a sua vida depois de detectado o tumor no pâncreas! Sabia-se que seria irreversível e que lhe não daria muito tempo. Mas foi, para ele, para a família e para os seus muitos amigos demasiado curto.
Desde que soube da doença e da sua previsível caminhada, encarou a vida com a sua costumada alegria e dizia a quem o visitava: Meu caro, vamos viver um dia de cada vez.
Sentiremos muita, muita saudade do Pinho Ferreira e sentiremos muita, muita alegria lembrando-nos dele e da sua capacidade de comunicar e de ser amigo.
Foi padre, actividade que abandonou para seguir a vida laica, casou e constituiu uma família, deixando filhos e netos. Foi um insigne professor de língua e literatura portuguesas e deixou só amigos entre colegas e alunos.
Foi o Pinho Ferreira como ele gostava de ser.
À família, a toda a família, apresentamos as muito sinceras condolências e a ele, onde quer que esteja, que continue a ser feliz.
Um amigo

Última Hora! Faleceu o Reverendo P. Domingos José da Silva

O Reverendo P. Domingos José da Silva
É natural de Cucujães, Oliveira de Azeméis.
Nascido a 24 de Novembro1929
e Ordenado Presbítero a 06de Agosto de 1944.
Exerceu actividades pastorais:
Coadjutor de Valbom, Gondomar.
Pároco de Teixeira e Teixeiró, Baião,
Pároco de Real, Castelo de Paiva
Paroquiou em Guinarei e  Carreira, Santo Tirso.
Paroquiou em S.Jorge de 1978 -1983.
Esteve cinco anos à Frente da Paróquia
desta Vila Termal de Caldas de São Jorge.
Capelão da Igreja da Trindade, Porto.
Ultimamente se encontrava no
Lar de Idosos das Irmãzinhas dos Pobres
R. do Pinheiro Manso, PORTO.
O seu Funeral realizou-se na manhã de Sábado,
dia 16 de Outubroàs 11.00 horas,
 na Capela do  Lar de Idosos das Irmãzinhas dos Pobres.
Presidiu o Senhor Bispo D. António Taipa
seguindo depois para a Vila de Cucujães
para jazigo da familia.
Com 81 anos de idade
Ee 66 anos de sacerdote ao serviço da Diocese do Porto.
R. do Pinheiro Manso,
Às 11.00 horas.
A paróquia de Caldas de são Jorge,
a todos os pretextos
e sentidos, muito lhe deve.
Paz à sua Alma

sábado, 9 de outubro de 2010

Vale a pena ouvir esta intervenção do eurodeputado Cohn-Bendit.




O que deveria ser o papel de todos os eurodeputados, defender os interesses dos países que os elegeram, fazer ver aos gigantes das economias europeias, que esta Europa dos grandes e dos pequeninos não serve os interesses do sonho europeu, de criar uma Europa unida e justa, não podemos querer que os nossos parceiros façam aquilo que nós próprios não conseguimos fazer.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Pensamento de Dalai Lama...

Perguntaram ao Dalai Lama
“O que mais te surpreende na Humanidade?”
E ele respondeu:
 “Os homens...Porque perdem a saúde para juntar dinheiro,
depois perdem dinheiro para recuperar a saúde.
E por pensarem ansiosamente no futuro,
Esquecem-se  do presente de tal forma que acabam
por  não viver nem o presente nem o futuro.
E vivem como se nunca fossem morrer…

…e morrem como se nunca tivessem vivido.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Quer vivamos quer morramos pertencemos ao Senhor!!!

“Nós sabemos que passamos da morte para a vida
porque amamos os nossos irmãos” (1 João 3,14)
Reverendo Manuel Va1ente de Pinho Leão
nasceu em Milheirós de Polares (Santa Maria da Feira) a 25 de Agosto de 1920.
Após frequentar os Seminários do Porto é ordenado padre em 8 de Agosto de 1943 junto do tio padre José Leite Dias de Pinho, em Oliveira do Douro,
inicia o serviço pastoral.
Vila Nova de Caia seria o lugar permanente da sua dedicação ao ensino,
como professor desde a ordenação e Director (1946-1992) do Colégio de Gala,
obra diocesana que ampliou com equipamentos condignos
e ilustrou com o seu saber,
particularmente em Inglês e Literatura portuguesa.
O campo da educação constituiu a sua paixão até ao fim da vida,
seja na criação da Escola Profissional de Gaia,
seja do Instituto Superior Politécnico, em 1990.
Impulsionou obras sociais, sendo representante da Diocese
na "Obra do Padre Luís” (desde 1982)
e deu novo vigor à Confraria do Monte da Virgem,
dados os seus dotes de excelente gestor.
Essa qualidade justificou a escolha como membro do Conselho de Assuntos Económicos Diocesano, entre 1986 e 1991.
Publicou, nos últimos anos, vários livros resultantes
de uma investigação sobre fontes de Arquivo,
sobre história da arte.
No Colégio do Sardão, onde viveu, como capelão,
era muito procurado como conselheiro.
Criou a Fundação Manuel Leão (1996),
à qual legou os seus bens,
com finalidades culturais
(sobretudo de teor pedagógico e artístico)
e assistenciais.
Viajante pelas quatro partes do mundo,
partiu para a última viagem a 24 de Setembro de 2010.

sábado, 2 de outubro de 2010

Centenário da República e Cemitérios

Centenário da República e Cemitérios
Começo por lembrar que este ano comemora-se o primeiro centenário da República em Portugal, implantada a 5 de Outubro de 1910. Já apareceram publicados estudos da autoria de professores universitários sobre o assunto, além doutros artigos publicados em jornais nomeadamente no “Jornal de Notícias do Porto”. Foi uma época turbulenta, muito mais do que a recente Revolução de 25 de Abril. Basta ver o que a Professora da Universidade de Coimbra, Dra. Maria Lúcia de Brito Moura, documentou no livro intitulado “A guerra religiosa na Primeira República”, publicado em Lisboa em 2004. A autora, com base nos dados fornecidos pelos jornais locais e regionais das cidades, vilas e aldeias, dá-nos uma ideia ao vivo dos desacatos e outros excessos cometidos nesse tempo. Não é para admirar muito este fenómeno, pois muitos desses adeptos, pela falta de cultura e civismo, muitas das vezes não fazem que desacreditar um movimento. Hoje, a 100 anos de distância podemos observar melhor, com mais serenidade, e comparar mais perfeitamente as diversas tendências então em causa. Como acaba de publicar António Teixeira Fernandes,a Revolução Republicana tinha sido precedida de várias décadas antes por outra algo parecida, a Revolução Liberal. (...)
Para compreendermos melhor e sermos mais justos na apreciação do passado vou referir dois aspectos que mostram sempre a fraqueza humana nos diversos acontecimentos. O primeiro aspecto é o seguinte. Já lá vão perto de 50 anos que li num pequeno livro o seguinte; o ideal era as coisas da vida irem por evolução e não por revolução. Por “evolução” quer dizer “devagar e bem” como também diz o povo. Ora quando assim não acontece e é tantas vezes, seja por inércia, rotina ou falta de vontade de aperfeiçoamento, então a situação agrava-se e rebenta a revolução que, pretendendo atingir certos ideais em parte ou totalmente justificáveis, acarreta juntamente outros males.
O segundo aspecto é este e, praticamente em tudo, se não houver uma prevenção à partida. Há anos li a seguinte afirmação do experimentado Karl Jaherg, professor universitário suíço, e publicado em 1960 numa revista da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra: “a unilateralidade é a consequência necessária de uma ideia científica que é aprofundada até ao fim”. (...) Passemos agora ao caso concreto de Pigeiros, o centenário da inauguração do cemitério e posto a funcionar desde 1910, em plena República. A Lei de 21-9-1835, feita pela Revolução Liberal, já tinha proibido os enterramentos dentro das igrejas, mandando fazer cemitérios e, enquanto estes não estivessem feitos, deixava que se enterrasse no adro. Algumas freguesias como Romariz etc. já o tinham feito antes da época da República, mas em Pigeiros foi já no princípio da República. E claro que a Lei de 1835 criou descontentamento por ir contra o costume tradicional de há tanto ano e originou a chamada guerra da Maria da Fonte de Póvoa de Lanhoso no Minho que tomou outros contornos políticos, originando a guerra da Patoleia.
Quatro anos depois da tal lei proibitiva, a Junta Geral do distrito de Bragança dizia a 27- 7-1839 que a falta de cemitérios se devia a dois obstáculos :“o primeiro é a crença da maior parte dos habitantes das aldeias que o lugar das sepulturas na igreja facilita melhor entrada da alma no Reino do Céu” e que “a construção dos cemitérios é um acto de impiedade” e o segundo obstáculo é a “falta de meios financeiros”.
Ora no desejo popular há uma parte de razão e outra parte sem ela. Que no Além, na eternidade, estejamos desprotegidos onde não temos poderes nossos, compreende-se o desejo de proximidade dos poderes sobrenaturais em relação a nós (daí os funerais religiosos, os sufrágios, etc.), mas esta proximidade não tem que ser física (ficar encostado fisicamente até aos altares do santos), basta que esteja na intenção mesmo estando fisicamente a quilómetros, basta a proximidade moral ou espiritual baseada no pensamento e no amor (isto é a alma). Ora esta deficiência de cultura no povo da época acarretou estes problemas. Conto mais outro caso parecido de tempos antigos. Em muitos lados fazia-se uma procissão às capelas de Santos, chamada procissão de clamor, porque se ia a berrar alto, a clamar para o santo ouvir, com os ouvidos do corpo (Deus sabe-o e nem tem corpo e o corpo dos santos ainda está nos cemitérios pois ainda não houve Ressurreição). Como sempre, coisas mal entendidas criam problemas.
Ainda vamos ver mais; mesmo no tempo em que se enterrava dentro das igrejas,nem toda a gente era lá enterrada. Eu sabia pelo que lia que na capela-mor era sepultado o Abade e o fidalgo da freguesia e o resto do povo era no corpo da igreja do arco do cruzeiro para baixo. Mas, ao ler o livro da história da freguesia galega de Curtis e Fisteus na província de Pontevedra, fiquei admirado ao sabeadmirado ao saber o seguinte: os ricos eram sepultados à beira dos altares e os pobres mais abaixo até à porta principal e os que não eram da freguesia (pobres de pedir, estrangeiros, idos de passagem) eram fora da igreja no adro, porque não eram da freguesia, isto é, não eram fregueses. Só os da associação chamada freguesia é que tinham esse direito. Juridicamente, em termos de lei e organização compreende-se este rigor, mas como já dizia o bispo pensador D. António Ferreira Comes acima da lei há o ambiente mais largo da moral e da espiritualidade a ter em conta, pois, lá por não ser freguês, ainda é criatura de Deus ou ainda conforme os casos, filho de Deus pelo baptismo. Mais uma vez se vê o mau resultado da falta de cultura religiosa profunda. (...) Num livro recente, publicado pelo jornal Público, comparava-se a disposição das sepulturas na igreja à que as pessoas têm na missa: à frente os mais importantes e atrás as pessoas tidas de pouco valor. Isto visto pelos olhos do corpo (sentido da vista) até pode parecer bem mas, se usarmos a inteligência da alma, é errado, que o padre como delegado de Deus deva estar perto de Deus no Santíssimo Sacramento do Altar, compreende-se, mas bem sabemos que nem todos os ricos estão à beira dos altares, tantos há no centro da igreja e até à porta do fundo. Até um “leigo” cá em baixo pode ser para Deus mais santo do que o padre lá em cima.
Quando contava o caso da freguesia galega de Curtis Fisteus ao Dr. David Simões Rodrigues, disse-me ele: “também aqui perto, em Rio Meão, eu fiz os livros da história da freguesia, também não deixaram um pobre ser enterrado dentro da igreja”. Fui ler o livro e lá vinha: tratava-se dum pobre mendigo de setenta e pouco anos, chamado Francisco de Almeida, que devia ser dos lados de Ovar e falecera a 19 de Abril de 1811, antes de da lei 1835.
Mas, curiosamente sabe-se que as autoridades religiosas já aconselhavam o enterramento fora das igrejas já antes de 1835, como se lê num documento de 27 de Agosto de 1794 no livro história de Sandim: “O pároco deve instruir os ignorantes que não querem serem enterrados no Adro, por entender que isso é para os pobres (mendigos). O visitador, entende que as igrejas devem ser restituídas à sua pureza original e mais ninguém lá deverá ser enterrado, como já acontece nos países civilizados”. Como se vê, não souberam evoluir e depois rebentou a lei de 1835. Em Pigeiros, em 7-8-1853 (já depois de 1853) um mendigo sepultado como os outros (no adro) aparece assim descrito curiosamente pelo Abade Osório: “era de Matosinhos e andava fugido a mulher, gastando-lhe tudo quanto tinha.”
Intervenção do Padre Domingos A. Moreira no Centenário do Cemitério de Pigeiros.
(Publicado com autorização do Autor)

SEGUIR O BLOG POR E-MAIL