terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

"Pros e Contras"



"Prós e Contras" o debate mais alargado da televisão portuguesa.
Desta vez com a participação do Dr. Rocha Martins, responsável pela área económica e financeira do GRUPO BEBECAR. Pena e que este programa nos chegue a horas tão tardias, e todos teríamos a possibilidade de ter visto talvez a maior promoção já alguma vez feita aos produtos “GRUPO BEBECAR”. Mas resta-nos a satisfação em saber que este e um dos programas mais vistos na televisão portuguesa, e no pouco tempo que teve para dar o seu contributo ao debate o Dr. Rocha Martins, aproveitou muito bem este espaço para promover o artigo do “GRUPO BEBECAR”.

10 comentários:

Anónimo disse...

O Governo não está a cumprir a lei, defende Roberto Carneiro.

O ex-ministro de Cavaco lembra a lei que vem do seu mandato e estabelece que o Estado não pode construir uma escola pública ao lado de uma privada com contrato de associação.

O Estado não deve deter o monopólio do ensino?
O Estado hegemónico é uma coisa do século XVIII ou XIX, já acabou. Estamos no século XXI, a sociedade é mais diversa, está mais educada, os pais querem escolher. Um Estado que é o modelo único não serve a sociedade, nem o serviço público.

O processo com as escolas particulares foi mal gerido?
Começou por ser mal gerido, mas felizmente acabou num acordo com o consenso possível. Não sei se muito bom, mas foi o possível... Acho que podia ter sido resolvido mais rapidamente, com mais eficácia e com melhor resultado para todos.


O acordo prevê a redução das turmas financiadas...
Quer extinguir-se a escola privada, pondo uma escola pública ao lado e depois diz-se que há lugares na rede estatal. Isso é um erro crasso. Enquanto ministro da Educação fiz legislação que proibia o Estado de construir uma escola pública ao lado de uma privada e, se o fizesse, tinha de continuar a pagar os contratos de associação durante cinco anos.


A lei não está a ser cumprida?
O cumprimento da lei exige que o Estado não construa escolas públicas ao lado de particulares e que, se o fizer, respeite integralmente a obrigação de continuar a pagar os contratos de associação durante cinco anos.

Como vê a ideia passada pela ministra de que o Estado estaria a pagar o luxo destas escolas?
Isso só pode ser uma brincadeira de mau gosto. Em Coimbra, há excesso de oferta e eu ofereci-me para fazer um estudo sobre o custo da escola privada e pública no concelho. E fechava-se a mais cara. Não quiseram...

O particular é mais barato?
Sim. Fiz um estudo, há 30 anos, que provava isso. Era preciso rever o estudo e actualizá-lo. Não acredito nada nesses estudos sobre os custos no ensino público. Era preciso fazer um estudo rigorosíssimo sobre quanto custa um aluno no ensino público e no particular, com tudo, investimentos, amortizações, depreciações...

Anónimo disse...

Portugal mais perto da recessão suporta juros em máximos
Rui Barroso
15/02/11 00:05


--------------------------------------------------------------------------------
Os juros da dívida pública bateram novos máximos históricos depois de conhecidos os dados que mostram PIB em contracção.

A pressão dos mercados em torno da dívida soberana portuguesa nunca foi tão intensa e a tese de que Portugal terá de pedir ajuda externa voltou a ganhar força. A ‘yield' subiu de 7,312% para 7,422%, o valor de fecho mais alto desde pelo menos 1997, depois de, na semana passada, ter atingido os 7,6% durante a sessão de quinta-feira. Há sete sessões consecutivas que os juros negoceiam acima da barreira dos 7%. Desde a entrada no euro que as taxas nunca estiveram tanto tempo acima desta fasquia, referida por Teixeira dos Santos como o limite para Portugal ter de recorrer à ajuda externa.

A indecisão dos líderes europeus em torno das medidas a tomar para garantir a estabilidade da zona euro é, segundo os analistas, o factor que mais penaliza a dívida portuguesa. "Mesmo em dia de Eurogrupo, os mercados não acreditam que se consiga chegar a um entendimento quanto à flexibilização do Fundo Europeu de Estabilização Financeira", referiu o director-geral da IG Markets para a Península Ibérica, Nuno Serafim, ao Diário Económico, horas antes dos líderes europeus terem acordado decidir, em Março, o aumento do valor do Fundo.

Anónimo disse...

O Estudo de Impacte Ambiental considera que, comparativamente com a alternativa Pigeiros/Caldas de S. Jorge, Canedo constitui a melhor opção para a instalação do novo aterro da Suldouro. O Resumo Não Técnico do documento foi distribuído, na terça-feira, às juntas de freguesia e Câmara Municipal, como noticiámos no próprio dia na edição online do Terras da Feira. Nas suas conclusões, expressa que “apesar das duas alternativas estudadas no EIA serem equilibradas em termos de impactes ambientais que lhe estão associados, a avaliação comparativa efectuada do ponto de vista ambiental e social indica que a Alternativa B [Sobreda, Canedo] constitui a melhor opção”.
Segue-se o Procedimento de Avaliação de Impacte Ambiental, que contempla uma fase de consulta pública, cuja importância é realçada por Nuno Pinto, presidente do conselho de administração da Suldouro, “no que concerne ao envolvimento das comunidades abrangidas pelo processo de escolha do local de implantação da infra-estrutura”.
A decisão final sairá do relatório da Comissão de Avaliação de Impacte Ambiental e, em última instância, da Declaração de Impacte Ambiental a emitir pelo Ministério do Ambiente e Ordenamento do Território.
A escolha da localização do novo aterro da Suldouro já suscitou acesas discussões e protestos em assembleias de freguesia e municipais. Com a recomendação do EIA, as autarquias de Caldas de S. Jorge e Pigeiros reagem, exprimindo um sentimento de algum alívio, mas não dão sinais de abrandamento na luta, porque a decisão política só será tomada mais adiante. Perfeitamente sintonizadas na estratégia, vão usar o período de consulta pública para esgrimir mais argumentos na defesa da sua tese de que o local indicado na confluência das duas freguesias não é o mais apropriado para acolher um aterro, até pelo impacte que teria nas Termas.
Em Canedo, a comissão de acompanhamento reuniu-se na quinta-feira à noite e, para já, vai exercer o seu direito de contrapor argumentos na fase de consulta pública. Os protestos e um eventual recurso aos tribunais só deverão acontecer após a Declaração de Impacte Ambiental a emitir pelo Ministério do Ambiente. “Não vale a pena andarmos com manifestações, porque o assunto ainda não está esgotado tecnicamente” - justifica Mota Pinho, presidente da Assembleia de Freguesia e membro da comissão criada em Canedo para acompanhar o dossiê do aterro.
O primeiro contacto com o estudo ocorreu na quinta-feira à noite e ficou com a impressão de que “Canedo é o local desejado, porque é o mais caro”.E explica: “Em relação ao estudo da Universidade de Aveiro, a grande nuance que este apresenta é uma acessibilidade directa ao aterro, a partir da A-32”, quando no anterior se falava num acesso à EN-222. Para o activista desta comissão, é esse “dado novo” o “coelho que sai da cartola” para “desequilibrar”.
O EIA admite que, no caso de Canedo, há “um maior número de indivíduos expectavelmente afectados por níveis de odores perceptíveis”, a que se associa uma contestação mais vincada ao equipamento em resultado das experiências anteriores com lixeiras e de outras infra-estruturas existentes – linhas eléctricas, antena de comunicações e ETAR – consideradas lesivas da sua qualidade de vida. Mas “sobressai” como sendo a alternativa que “globalmente apresenta mais descritores em que os impactes são marginal ou significativamente mais favoráveis, sendo esta diferença mais substancial quando se consideram as medidas minimizadoras”.

Leia mais na edição impressa do "Terras da Feira"

Anónimo disse...

Sequestro e roubo em Santa Maria da Feira
2011-02-15


A Polícia Judiciária do Porto está a investigar um caso de alegado sequestro e roubo em Santa Maria da Feira.
Um segurança dos estaleiros das obras da nova variante, em Canedo, terá sido retido, sob ameaça de arma de fogo, enquanto os suspeitos roubavam fio de cobre.
Três indivíduos taparam a cabeça do homem e fecharam-no no WC durante duas horas, na madrugada de sábado para domingo.
Os suspeitos colocaram-se em fuga com vários rolos de fio de cobre transportados numa carrinha também furtada dos estaleiros.

Anónimo disse...

15-02-2011
Bebé de Merche já tem nome

Merche Romero vai chamar António ao seu primeiro filho, em homenagem ao pai da criança, António Pereira, mais conhecido por DJ Vibe.

A apresentadora e manequim está grávida de cinco meses e anunciou oficialmente o nome do rebento, ontem, 14 Fevereiro.

Merche, 34 anos, e António Pereira, 42, separaram-se em Dezembro de 2010, após quase três anos de namoro sem explicar as razões do afastamento. Na altura, a apresentadora apenas adiantou que ambos tinham "ritmos de vida muito diferentes".

A gravidez, anunciada em Fevereiro deste ano, levou à reconciliação do casal. "Sempre quis ser mãe e estou muito feliz com a gravidez. Houve uma separação, mas, após algum tempo, percebemos que sentimos a falta um do outro e decidimos voltar. Um filho só vem fortalecer a nossa relação", referiu a apresentadora num comunicado divulgado em 31 de Janeiro último.

antonio disse...

está muito frio aqui em castelo de paiva

Anónimo disse...

Não consigo divisar a relação entre o "post" que aqui foi colocado e a série de comentários que ali foram sendo colados. O "post" fala de um programa de TV em que uma empresa de Caldas de S. Jorge mereceu destaque, e aparecem comentários a falar de escolas, de juros, de aterros sanitários, sequestros de pessoas e da modelo Merche. Perdem sentido a colocação de factos e mais os comentários. Isto já estava tão "pobrezinho"!

José Pinto da Silva

Anónimo disse...

Falta agora o pintinho da dender o ilha

antonio disse...

realmente porra estragam tudo, o blogue

antonio disse...

Já mudei o meu perfil, aqui em castelo de paiva está a nevar

SEGUIR O BLOG POR E-MAIL