terça-feira, 15 de novembro de 2011

...análise interessante.

Eusébio qualificou hoje como estúpida e sem  sentido a atitude de Alan, futebolista do Sporting de Braga, ao ter acusado  publicamente o colega de profissão Javi Garcia de lhe ter chamado "preto"

"Disse que o Javi Garcia lhe chamou preto. E o que é que ele é? Se lhe  tivessem chamado branco é que poderia ficar ofendido. Quantas vezes me chamaram  isso e muitas mais coisas. Se eu fosse reagir, estava tramado, não acabava  nenhum jogo. O Alan foi estúpido ao trazer isso a público. O que ele fez  não faz sentido", disse Eusébio à agência Lusa, durante a apresentação do  livro "Crónicas de Futebol & Bem dizer III", de João Malheiro .
O antigo avançado lembrou que as tentativas para o desestabilizar eram mais do que frequentes: "As coisas que eu ouvia para me tentarem enervar e desconcentrar, acontecia em quase todos os jogos, mas eu não ligava nenhuma, aquilo entrava e saia, e eu mantinha a concentração. O que eu queria era jogar a bola". Para o "pantera negra" era isso que Alan "deveria ter feito", caso seja verdade aquilo de que acusou Javi Garcia, porque é algo que "não vai provar". Eusébio admite também que o jogador bracarense possa "estar a inventar para criar polémica", alegando "conhecer bem" o médio espanhol do Benfica, a quem considera um "grande profissional". O mesmo conselho dá Eusébio a Cristiano Ronaldo, que tem reagido mal às provocações que vêm das bancadas, nomeadamente através da projeção de raios laser ou gritando o nome do argentino Lionel Messi, como sucedeu nas últimas deslocações da seleção a Chipre e à Bósnia. "Não quero estar a dar conselhos ao Cristiano Ronaldo, ele é que sabe, é problema dele. Mas sou seu amigo, sou mais velho, e se tenho a dizer alguma coisa em relação a isso é que ele não devia ligar a essas provocações", disse Eusébio, avisando o capitão da seleção portuguesa de que estas "vão continuar".
A propósito de Ronaldo e Messi, o "pantera negra" recuou aos seus tempos de jogador, nos quais discutiu com "Rei" Pelé o estatuto de melhor jogador do mundo, discussão essa que, para muitos, ainda se arrasta até aos dias de hoje. "Chamavam-me o Pelé da Europa e nunca fiquei chateado por isso. Mas porque é que não era ele o Eusébio da América do Sul? Aliás, no único campeonato do mundo em que estivemos os dois, em 1966, fui o melhor marcador", observou Eusébio, seguro de que só não ganhou "tantos títulos quanto Pelé" pelo facto de "não ter nascido no Brasil".
Sobre o jogo decisivo de terça-feira frente à Bósnia, Eusébio está otimista: "Vai ser difícil, mas eu acho que temos 55 por cento de hipóteses de ir ao Euro2012. E não digo uma percentagem maior porque não gosto dessa coisa de ser favorito. Mas se jogarmos aquilo que sabemos vamos ganhar à Bósnia".
No entanto, alerta para o "respeito" que a seleção bósnia merece, contando com "jogadores que jogam em alguns dos maiores clubes de Inglaterra e da Alemanha", e para o "perigo que o resultado 0-0 pode representar", caso o adversário faça um golo, o que "obrigaria Portugal a marcar dois", o que se tornaria "complicado".
in LUSA

Sem comentários:

SEGUIR O BLOG POR E-MAIL