domingo, 29 de abril de 2012


Festa da Vida Igreja Matriz 22 de Abril 2012  
Em dia de Domingo e Véspera da Festa de São Jorge
 quinze Jovenzinhos (as)
fizeram a sua Festa da Vida.
Homilia São Jorge           
Domingo Páscoa 3 B
Caldas de S. Jorge, 22 de Abril de 2012 Véspera do Padroeiro

Vós sois testemunhas de todas estas coisas
Somos testemunhas da passagem do medo para o anúncio, somos testemunhas da passagem de uma fé sem saber porquê a uma consciência pessoal. Somos testemunhas da passagem das mãos e pés cravados à liberdade da Ressurreição. Somos testemunhas da leitura unida dos factos desde Moisés, Profetas e salmos aos dias de hoje, como acção do mesmo Deus. Somos testemunhas do arrependimento e do perdão dos pecados. De todas estas coisas e muitas outras somos testemunhas, como São Jorge, mártir do seculo IV. O cristianismo não é uma religião individualista. Convida-nos à celebração comunitária, à manifestação humilde da nossa fé, a um amor mandado por Deus.

Sigamos São João para ver três caracteristicas deste modo novo de amar pelo qual São Jorge deu a vida.“Aquele que diz conhecer Deus e não guarda os seus mandamentos é mentiroso (I Jo.2,4)! A unidade entre conhecer e amar é funda mental. O conhecimento de Deus une-se ao amor. Não se trata de um conhecimento superior, para iluminados, que necessita de fugir do mundo. Nós, cristãos, ao conhecer Deus, ficamos implicados no testemunho de um amor que abre horizontes na relação com todas as criaturas que Deus ama. Conhecimento e amor ficam claros: «Todo aquele que ama nasceu de Deus e conhece-O. Aquele que não ama, não conhece a Deus, porque Deus é Amor” (I Jo.4,7-8).
Uma segunda caracteristica é que este amor a Deus, não é apenas uma questão de «sentimento»! «Meus filhinhos, não amemos com as palavras e com a língua, mas por obras e em verdade” (I Jo.3,18). O amor é também um acto de vontade! Os sentimentos são volúveis. Num momento sentimos uma coisa, passado uns momentos sentimos outra. O sentimento pode ser uma trampolim inicial, mas não é a totalidade do amor. O amor une o pensamento, o sentimento e a vontade.
Em terceiro lugar, o amor não só não é apenas conhecimento, ou sentimento; é um mandamento. Há, por assim dizer, um dever de amar: «Aquele que diz que está em Deus, deve andar como Ele andou» (Jo.2,6); «Jesus deu a vida por nós, e nós devemos dar a nossa Vida, pelos nossos irmãos» (I Jo.3,16); “Aquele que diz conhecer Deus e não guarda os seus mandamentos é mentiroso (I Jo.2,4)! Somos testemunhas deste mandamento cumprido até ao fim na entrega de Cristo.
A este amor se unem especialmente os mártires. Conscientes deste mandamento, obedecem ao dever de amar. Isto pode parecer uma afirmação dura de roer, numa cultura, que exalta o amor, como um impulso espontâneo, momentâneo quando não instantâneo?!
Daí a importância, de nos vincularmos a um dever, que dê confiança e estabilidade. Quando se conhece a Deus como apaixonados pelo seu amor não separamos o prazer do dever. Permanecer e resistir, não obstante as adversidades
é fonte de alegria.
A cultura actual, ao exaltar a liberdade de mudar e a espontaneidade do momento, fragmenta as vidas e desfaz relações.
Vejamos, agora, como na vida de São Jorge vence a estabilidadae do amor.
São Jorge goza de um culto na Palestina como santo António na Europa. O megalo-mártir, como lhe chamam no Oriente foi uma testemunha firme de Cristo. Mostrou-se firme em tantos suplícios e aflições pela graça de Deus que nele habitava, pelo espaço a Deus que consagrava nas suas decisões. A fortaleza da sua vontade arrumava com qualquer medo e nele crescia a esperança. Não era uma esperança baseada no ar das palavras, mas concretizada na caridade criativa e na audácia das atitudes.
Tantos como vós, caríssimos irmãos e irmãs das Caldas de S. Jorge, por todo o mundo, como veremos esta tarde, desde o século V recorrem a São Jorge como exemplo de lutador, que não se deixa abater pelas adversidades, trava as batalhas contra a injustiça e a maldade, representadas no dragão, e vai até dar a vida pelos valores que defende.
Continuemos a ver em São Jorge um modelo de cavaleiro defensor dos débeis, nesta hora difícil que vive Portugal e a humanidade. O nosso país e a nossa Igreja andam tão necessitados de militância firme, tão carentes de audácia para encontrar uma via para um humanismo global, uma consideração planetária da humanidade que vença os auto-considerados donos do mundo, novos monstros-dragões a sugar as vidas dos pobres, de olhar tacanho para um horizonte com sereno futuro.
Anda já no ar a lança para vencer a maldade dos mercados, a incapacidade dos líderes das nações motivarem para um novo estilo de vida, neste momento de grande mudança do planeta. Agarremos, com ambas as mãos, esse instrumento de vitória e unamos esforços para, animados por Cristo Ressuscitado, que fortaleceu S. Jorge, deixarmos a indolência e não permitirmos mais decisões imperialistas, usurpadoras do futuro, venham elas donde vierem.
Este exemplo vivo e incansável de realização do dever de amar aos outros faça cada um de nós ir mais longe, ser mais estável, não reduzir à espontaneidade, ao sentimento o mandato de Cristo. Cada um descubra as formas concretas que o amor tem de lhe rasgar as mãos e os pés, de lhe abrir o coração. Porque é nos sinais da entrega de Cristo que reconhecemos hoje o Cristo vivo, Ressuscitado.
A paz que nos deseja tem a medida do seu amor.
+ Carlos Moreira Azevedo
Delegado do Pontificio Conselho da Cultura
 

Sem comentários:

SEGUIR O BLOG POR E-MAIL