sexta-feira, 27 de julho de 2012

FIM DA ESCOLA DE HOTELARIA DE SANTA MARIA DA FEIRA…

BE: Encerramento da Escola de Hotelaria é uma perda irreparável para o concelho

Na quarta-feira passada confirmou-se o encerramento da Escola de Hotelaria de Santa Maria da Feira. Depois de reunião entre a Câmara Municipal e a Secretária de Estado de Turismo, Cecília Meireles, ficou oficialmente declarada a morte deste equipamento do concelho.

A Câmara Municipal de Santa Maria da Feira mostrou-se impotente para impedir que o governo PSD – CDS levasse a sua intenção avante. O Bloco de Esquerda só pode lamentar tamanha impotência presente e passada. Passada, porque há anos que a Câmara Municipal deveria ter desenvolvido esforços sérios para a construção de um novo espaço para a Escola de Hotelaria.

A actual escola, que já tem mais de 20 anos, era há muitos anos pequena e insuficiente para as exigências formativas. A sua direcção e os seus funcionários foram tentando minorar estes constrangimentos, mas a realidade era evidente: um outro equipamento permitia aumentar a oferta formativa, acolher um maior número de alunos e melhorar a qualidade da formação. Durante anos a Câmara Municipal não quis saber e foi, inclusivamente, responsável por vários atrasos no início de uma nova escola, ao apresentar projectos de arquitectura que foram chumbados e que foram entregues sem documento de previsão de despesas de funcionamento. Situações destas fazem com que o arranque da construção de um novo espaço fosse adiado de ano para ano, até que agora se tornou impossível.

Perante essa impotência do passado junta-se a impotência do presente: a de não conseguir esgrimir argumentos para manter este equipamento no concelho de Santa Maria da Feira. Lembre-se que este era um equipamento importante no concelho, pois dinamizava o comércio, o arrendamento e o centro da cidade. Para além disso, era um equipamento com cursos profissionais com saídas profissionais reconhecidas. Tudo isso acabou! Fica agora também a preocupação dos alunos e famílias que têm que ser deslocados para o Porto. Medidas centralistas como esta dificultam o acesso à educação, porque querem dizer sempre um aumento de despesa.

O Bloco de Esquerda não pode aceitar a desculpa esfarrapada que é dada para este encerramento: diz a Câmara Municipal que a culpa é do Porto que tem uma escola de hotelaria com falta de alunos. Esta é uma argumentação que não se pode aceitar. Primeiro, porque, que se saiba, Santa Maria da Feira não é colónia de férias da cidade do Porto nem sua subordinada; segundo, porque por esse argumento então tem que se encerrar a maior parte dos equipamentos de Santa Maria da Feira porque eles já existem no Porto: cinemas, indústrias criativas, hospital, biblioteca. Por essa argumentação, tudo encerraria. E por isso mesmo é que a argumentação é fraca e só pode ser entendida como desculpa de mau pagador para esconder as culpas explícitas que a Câmara Municipal tem nos últimos anos.

Pela Comissão Coordenadora Distrital do Bloco de Esquerda de Aveiro

 

Escola de Hotelaria da Feira já não existe!

Antigas Instalações da Escola de Hotelaria

Há poucas semanas, a Câmara Municipal de Santa Maria da Feira anunciava a deslocação da Escola de Hotelaria e da Caixa das Artes para o Europarque, de forma a dar nova vida ao espaço. Há duas semanas era salvaguardada a manutenção do Pólo I da Caixa das Artes, mas o Europarque seria mesmo o destino dos restantes equipamentos. Bem, no meio de tanto impasse e passividade política a Feira perdeu a Escola de Hotelaria.

A escola de Santa Maria da Feira não consta na lista de cursos para o ano lectivo 2012/2013, não abriram inscrições, havendo informação de alunos e funcionários transferidos para a escola do Porto.

Hoje, o Porto Canal avança que no seio das negociações propostas pelo Turismo de Portugal, «Santa Maria da Feira recusou ficar com a escola», enquanto decorrem negociações em Mirandela e Santarém. Por outro lado, a autarquia do Fundão aceitou as condições impostas para a manutenção do serviço escolar: serão assim tão más?
A Câmara diz que a decisão é irracional, mas a verdade é que a escola fechou mesmo. Assumir, tal como aconteceu no Fundão, não seria certamente função da autarquia, mas... e o futuro? Morre definitivamente ou apenas até solução de futuro? Atendendo ao panorama, nem vale a pena acreditar!

Ainda há dias escrevia sobre uma gaveta onde se coleccionavam projectos e serviços com os dias contados, lá para os lados da Praça da República, pois bem, parece-me que a situação se agrava... será talvez mais grave do que uma inusitada colecção.

Nova Escola de Hotelaria NUNCA sairá do Papel

Em resumo, nesta perspectiva de salvação expresso e sem qualquer análise integrada do Europarque, a Feira já perdeu a Escola de Hotelaria e irá confirmar amanhã o fim do Pólo II da Caixa das Artes. Não queria ter de o dizer, pelo menos de forma tão directa, mas dada a sucessão de erros e absurdos políticos, parece que temos uma Câmara de Destruição Feirense e não uma autarquia com objectivos em prol do desenvolvimento local. E agora Sr. Presidente e "companhia", já será tempo de fazer um voto de protesto? Há coisas que não se compreendem. Aguardemos pelos próximos capítulos.

In Krónicas Feirenses…

3 comentários:

Anónimo disse...

O Presidente há muito tinha a certeza de que o encerramento era irreversível. Manteve a última entrevista com a secretária de Estado, por qualquer razão que ele lá saberá. mas nunca para a eventualidade de uma salvação do equipamento. Comentários, para quê?
José Pinto da Silva

REX disse...

A Escola de Hotelaria já era e a seguir Milheirós de Poiáres vai para S.J.da Madeira.

Anónimo disse...

ainda havia de ir mais freguesias para s. joão da madeira, afinal de contas somos muitos e tão pouco dinheiro para obras.
s. joão da madeira é sozinho e quem lá passar logo repara aqui há dinheiro...

SEGUIR O BLOG POR E-MAIL