sábado, 28 de setembro de 2013

POLÉMICA NO FACEBOOK.

O QUE REALIZÁMOS …. Desde 2008
De uma lista que apareceu com o título acima, apocopado, lista que fez força para ter muitas linhas, dada a repetição de items, (pouco relevante a extensão), vou destacar dois ou três pontos que têm rabos, uns de fora e, às vezes, a parecerem enterrados.
Começo pelo Calvário que teve a “honra” de ocupação abusiva de terreno alheio, deu origem a conversas insultantes e em que quem fez o mal, fez também a caramunha e se sujeitou à perda judicial. A vítima partiu entretanto e, se houvesse interesse em respaldar a situação, em reconhecer o falhanço, poderia ter sido resolvida a situação. Mas o caso é também outro. Foi divulgado que houvera ali um investimento de cerca de € 200.000,00 (há quem ache demasiado e que ter havido alcavalas) e as facturas inerentes aos trabalhos feitos somam € 50.783,19 e os pagamentos declarados vão a € 53.200,02. (diferença de quase três mil euros). As facturas foram as entregues a um membro da Ass. Freguesia que as entregou na Direcção de Finanças. Também as referentes aos sanitários da Sé, em que as facturas somavam € 23.412.43 e os pagamentos iam a € 24.207,32. Se a Direcção de Finanças diligenciou algo, não se sabe. Quer de uma obra quer de outra, nunca foram apresentadas nem propostas de empreiteiros, nem contratos celebrados com os contratados. Apesar de várias vezes solicitados em sede de Assembleia.
Fala-se da rua da Carreira, cujas obras foram paradas por imposição do dono do terreno por venda abusiva da terra vegetal e, saiba-se por quê e com autorização de quem, foram retomadas a 15 dias da eleição. Mas, andou ali um empreiteiro que fez desaterro e demoliu um muro de vários metros. Foi reiteradamente pedido o contrato celebrado(?) e foi tentado saber-se quanto foi pago, e de que forma, pelo trabalho feito. E quem comprou a terra vegetal e quanto rendeu ela e para onde foi o dinheiro. Fica no ar a suspeita de …
Na construção do muro a norte do terreno da “Pines” (face ao caminho paralelo ao rio) andou um empreiteiro, bem como no empedramento executado no terreno. Nunca apareceu qualquer proposta, nunca apareceu qualquer contrato e nunca apareceu qualquer factura, mau grado tenham sido documentos pedidos em sede de Ass. Freguesia, nem reflexo em qualquer prestação de contas.
Estranho, estranho é que tenha sido ignorada uma obra que até tem algum vulto. Trata-se da abertura feita perpendicular à rua do Tojeiro (Azevedo), a poente da casa do Sr. Virgílio. Sabe-se que, em reunião alargada, um empreiteiro apresentou preço para desaterro e construção do muro de suporte para o terreno do Dr. Américo, doador do terreno. Não foi feito contrato, mas há o testemunho de meia dúzia de pessoas. A obra foi feita. Está lá. O empreiteiro terá recebido a garantia de um particular de que receberia o preço. Sabe-se que o empreiteiro terá recebido DA JUNTA o preço. Mas, apesar de insistentemente pedidas, nunca foram apresentadas, quer a factura da obra, quer os meios de pagamento, nem nada disso ficou reflectido em qualquer relatório e contas. Como de resto das obras anteriores (Rua da Carreira e Muro da Pines).
Cabe a pergunta: Porquê? E cabe automaticamente a suspeita. Porquê esta fuga sistemática à apresentação de propostas, de contratos (se foram feitos) e mesmo às provas de pagamentos?
Tantas dúvidas implicarão na absoluta necessidade de, quemquer que integre a próxima Ass. Freguesia, ser pedida uma auditoria à contas da Junta de Freguesia dos últimos 6/7 anos. É de esperar. Menos opacidade e mais clareza e transparência nas contas. Porque … à mulher de César é preciso algo mais do que dizer-se séria.
José Pinto da Silva
Publicada por inconfidências à(s) 10:56

  • Jose P S Soares Pelos ultimos 4 anos nao posso falar mas pelos outros posso lhe afirmar que houve no minimo 3 orçamentos quer pelo calvario quer pelos sanitarios onde se escolheu os que nos davam melhores garantias e claro o melhor preço,quanto ao entrar nos terrenos alheio ,em reuniao com o Dr Raul para a compra do terreno ele deu autorizou que se fizesse o que se fez e que iria analizar a nossa proposta mas sabendo que apos uma conversa que o DR teve com o SR Jose Pinta Silva mudou de ideias.PORQUE SERA QUE MUDOU so ffasso este comentario porque acho que nao era o dia proprio para publicar este testo um bem haja a todos os eleitores

  • José Pinto da Silva O que aqui está dito é uma estúpida parvoice, porque a primeira vez que com ele falei já o problema estava enrodilhado e eu, com o testemunho de pessoa influente de S. Jorge, pedi-lhe que tentasse chegar a uma solução. Logo o que foi escrito acima é uma mentira. E posso provar. E quanto aos tais 3 orçamentos, foram insistentemente pedidos na Assembleia de Freguesia e nunca foram exibidos.

4 comentários:

Anónimo disse...

Esses desvios todos foram feitos para um investimento na rua da Fonte de baixo. A obra está a concurso....

Anónimo disse...

Deve ter razão...
Para a remoção de tanto lixo e cascalho é preciso muito dinheiro....

Anónimo disse...

...porque será que os iluminados nao se candidatam?????......so votam abaixo pelo prazer de enxovalhar as pessoas.......nas urnas é que se viu.........uma vitoria antecipada .....virou derrota....agora devem andar a rebolar na cama de tanta azia.......uns pasteis de nata passa....

Anónimo disse...

Vota...
nos indignados da rua Fonte de Baixo,..
... nós temos soluções, para a nossa rua e toda a freguesia...

Vota..

SEGUIR O BLOG POR E-MAIL