sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

CRISTÃOS MORTOS EM 2013 POR CAUSA DA FÉ PODEM ULPASSAR OS 70 MIL !!

70 mil cristãos mortos por causa da sua fé!!!
Um genocidio... vamos acordar...
CRISTÃOS MORTOS EM 2013 POR CAUSA DA FÉ PODEM ULPASSAR OS 70 MIL
Em 26 de dezembro a Igreja recordou a memória de Santo Estêvão, o primeiro mártir, que morreu apedrejado pedindo a Deus que não imputasse este pecado aos seus assassinos.
Não somente nos séculos passados, mas também hoje tantos cristãos são mortos por causa de sua fé.
Algumas estimativas indicam cerca cem mil cristãos mortos devido à fé em 2013.
Sobre isto, a Rádio Vaticano conversou com o Coordenador do Observatório da Liberdade Religiosa na Itália, Massimo Introvigne:

R: "A estatística é muito controvertida.
Houve até mesmo uma polêmica entre Todd Johson - talvez o melhor expert em estatística - e a BBC.
Tudo depende de algumas situações africanas, em particular o Congo, e agora também o Sudão do Sul, e de quantos mortos nestas situações podem ser considerados como pessoas mortas por causa de sua fé, no que Johnson chama 'uma situação de testemunho'.
Os dados finais de 2013 serão conhecidos nos primeiros meses de 2014, mas é provável que, diminuindo um pouco o número de cristãos mortos na África, a cifra pode cair dos 100 mil para 70 ou 80 mil".

RV: O Relatório anual 2013 da Comissão sobre Liberdade Religiosa Internacional dos Estados Unidos assinala oito países que causam maior preocupação, ou seja,
Mianmar (ex-Birmânia),
China,
Eritréia,
Coréia do Norte,
Arábia Saudita,
Sudão
e Uzbekistão.
Qual país preocupa mais?

R: "Acredito que continue a preocupar toda a situação da Coréia do Norte: não somente porque continuam a matar cristãos, mas porque os cristãos existem, isto é, não foram exterminados pelos acontecimentos precedentes.
E então, é evidente que também em uma situação dificilíssima de um país que limita ao mínimo os contatos com o mundo externo, existem pessoas, existem também jovens que não conheceram senão a educação do regime,
que continuam a converter-se ao cristianismo,
que manifestam de alguma maneira a sua fé
e que, por isto, são presos, deportados nos campos de concentração e também mortos.
Naturalmente, estes países relacionados pelos Estados Unidos não são os únicos que despertam preocupação, pois existe toda uma constelação de países em que se vai do fenômeno da violência difundida às formas de violência legal.
Não devemos nunca esquecer, por exemplo, das leis que punem a blasfêmia no Paquistão,
de onde conhecemos bem o caso de Asia Bibi,
que mostra bem o uso instrumental da lei em relação aos cristãos".

RV: A Nigéria, por exemplo, é outro país que provoca preocupações..

R: "Sim. É necessário esclarecer que o problema não é criado pelo governo nigeriano, mas por alguns movimentos extremistas do ultrafundamentalismo islâmico, em particular um chamado 'Boko Haran'.
Assim, além das cifras, o que é importante dizer é que estes cristãos não foram todos mortos por seguidores de outras religiões.
Certamente - acabamos de citar a Nigéria - existe o problema dos movimentos islâmicos ultrafundamentalistas, porém não devemos esquecer outros dois elementos:
o primeiro é a existência ainda de regimes comunistas muito duros, como no caso da Coréia do Norte,
e outro é a questão dos conflitos tribais,
onde algumas vezes é difícil saber se os cristãos foram mortos por serem cristãos
ou por pertencerem à tribo 'errada'...".

RV: Existe depois a Europa, onde não existem - obviamente - formas de violência a este nível em relação aos cristãos, porém existem casos de restrições no que diz respeito a eles....

R: "Sim, em relação aos cristãos e às pessoas religiosas em geral. Acredito que o Papa Francisco falou sobre isto muito bem na Evangelii gaudium, quando nos recorda
que existe uma mentalidade que quer reduzir a fé a um fato meramente privado e fechar os fiéis nas igrejas, nas sinagogas, nas mesquitas, isto é, enquanto estão fechados e rezam tudo vai bem, mas quando procuram manifestar a sua fé publicamente,
no âmbito político e social,
começam as discriminações quando não,
verdadeiras perseguições.
Me tocou muito que o Papa Francisco tenha citado um velho livro que - disse - lhe fez muito bem:
'O Senhor do mundo',
do escritor inglês Robert Hugh Benson,
que mostra justamente uma situação em que os cristãos procuram testemunhar sua fé no âmbito político e social, então são perseguidos e no final também mortos.
O Papa disse:
'Mas vocês acreditam que estas coisas existam somente nos romances ou que aconteciam somente há muitos anos atrás?
Não, acontecem agora'".
 
Um livro:
“O Senhor do Mundo”
Autor: Robert Hugh Benson
Descrição: O Mundo Imaginado por Benson - uma hipérbole a partir dos erros que ele então já enxergava - trilha rumo ao autoritarismo de um governo mundial,
onde as liberdades individuais são suprimidas a partir de regras de conduta impostas junto com uma nova moralidade criada através de uma religião global.
Certamente, Benson jamais imaginou que seu romance chegaria, no início do século XXI, a se tornar tão realista.

No livro, uma iminente guerra ameaça a paz universal,
situação que permite a um jovem desconhecido ganhar popularidade em todo o mundo,
e aspirar assenhorear-se dele,
sendo cultuado pelo humanismo de uma falsa religião global,
onde se exclui e criminaliza toda e qualquer expressão que ainda possa existir de uma espiritualidade verdadeiramente transcendente.
É o advento do anticristo, portanto.
Mas ainda permanece algo da tradição que construiu o Ocidente:
a Igreja Católica,
embora em meio a uma crise,
apresenta-se como a única resistência frente ao totalitarismo.

Em poucas palavras, trata-se de uma narrativa apocalíptica,
contra a qual só nos resta um consolo e uma atitude:
a confiança no triunfo definitivo de Deus,
tal qual prometido no Livro de São João,
e a incolumidade da alma por seu mergulho na Graça do Salvador.
Idioma: Português
ISBN: 978-85-631-603-62

Dimensões do Livro: 14 x 21 cm

Sem comentários:

SEGUIR O BLOG POR E-MAIL