sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Feliz e Próspero Ano Novo 2011

O Pároco da Vila Termal de Caldas de São Jorge
deseja a todos Feliz e Próspero Ano Novo 2011.
Adeus ao Velho
e Viva o Novo

Mensagem de Fim de Ano

...a caminho da bovinidade

Foto : ....pois é
Alunos portugueses são incapazes de explicar ideias simples e raciocínios

Os alunos portugueses são incapazes de estruturar um texto ou de explicar um raciocínio básico, revela um estudo do Ministério da Educação realizado em 1700 escolas.

As conclusões são do Relatório 2010 do Gabinete de Avaliação Educacional (GAVE) e traçam um quadro preocupante quanto às capacidades dos estudantes entre os 8.º e 12.º anos para expressarem por escrito ideias ou conhecimentos adquiridos nas aulas.
A equipa do GAVE avaliou o conhecimento de alunos de 500 escolas secundárias e em 1200 do 3.º Ciclo, nas disciplinas de Matemática, Língua Portuguesa, Matemática A, Física, Química A, Biologia e Geologia.
"Não é um dado novo, nem sequer é um dado exclusivamente nacional. Tem de ser pensado um trabalho de fundo ao nível da superação das dificuldades", disse Hélder Diniz de Sousa, director do GAVE, em declarações à Lusa.
"Mais do que aprender e ser capaz de reproduzir conhecimentos que gera resultados no imediato, é muito importante perceber quais as aprendizagens que ficam por se fazer", acrescentou o responsável que defende uma mudança de atitude por parte das famílias.
"A par da preocupação com os resultados é muito importante estarmos preocupados com o que aprenderam. Se a sociedade fizesse o processo ao contrário, preocuparmo-nos com a qualidade do que se aprende, os resultados apareceriam certamente", explicou.
No relatório do GAVE, mostra-se que os alunos portugueses têm mais facilidade nas respostas que requerem selecção, revelando mais dificuldade nos itens de construção.
Há menos de um mês, num relatório do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA), Portugal surgiu como tendo registado uma evolução "impressionante", aproximando-se da média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).
O director do GAVE considera não haver contradição entre os dois relatórios. "É impossível estabelecer paralelismos entre um estudo e outro. O PISA é um estudo de longa data, que mostra evoluções com intervalos de tempo consideráveis. Este relatório mostra o diagnóstico do que se passa em concreto, nas nossas escolas, no dia-a-dia", justificou Hélder Diniz de Sousa.
in JN

Por estas e por outras, o futuro do nosso país é cada vez mais uma incógnita.
E já agora, por falar em incógnita....


Até já.

in "Certas Confidências"

Para reflectir
Aqui está o que um português comum talvez tivesse... reservas... em escrever.
Artigo do Embaixador da GB ao deixar Portugal: Expresso 18 Dez 2010
COISAS QUE NUNCA DEVERÃO MUDAR EM PORTUGAL
"Portugueses: 2010 tem sido um ano difícil para muitos; incerteza, mudanças, ansiedade sobre o futuro. O espírito do momento é de pessimismo, não de alegria, nesta velha Europa. Mas o ânimo certo para entrar na época natalícia deve ser diferente. Por isso permitam-me, em vésperas da minha partida pela segunda vez deste pequeno jardim, eleger dez coisas que espero bem que nunca mudem em Portugal.
9:55 Segunda feira, 20 de Dezembro de 2010

1. A ligação intergeracional. Portugal é um país em que os jovens e os velhos conversam - normalmente dentro do contexto familiar. O estatuto de avô é altíssimo na sociedade portuguesa - e ainda bem. Os portugueses respeitam a primeira e a terceira idade, para o benefício de todos.
2. O lugar central da comida na vida diária. O almoço conta - não uma sandes comida com pressa e mal digerida, mas uma sopa, um prato quente etc, tudo comido à mesa e em companhia. Também aqui se reforça uma ligação com a família.
3. A variedade da paisagem. Não conheço outro pais onde seja possível ver tanta coisa num dia só, desde a imponência do rio Douro até à beleza das planícies do Alentejo, passando pelos planaltos e pela serra da Beira Interior.
4. A tolerância. Nunca vivi num país que aceita tão bem os estrangeiros. Não é por acaso que Portugal é considerado um dos países mais abertos aos emigrantes pelo estudo internacional MIPEX.
5. O café e os cafés. Os lugares são simples, acolhedores e agradáveis; a bebida é um pequeno prazer diário, especialmente quando acompanhado por um pastel de nata quente.
6. A inocência. É difícil descrever esta ideia em poucas palavras sem parecer paternalista; mas vi no meu primeiro fim de semana em Portugal, numa festa popular em Vila Real, adolescentes a dançar danças tradicionais com uma alegria e abertura que têm, na sua raiz, uma certa inocência.
7. Um profundo espírito de independência. Olhando para o mapa ibérico parece estranho que Portugal continue a ser um país independente. Mas é e não é por acaso. No fundo de cada português há um espírito profundamente autónomo e independentista.
8. As mulheres. O Adido de Defesa na Embaixada há quinze anos deu-me um conselho precioso: "Jovem, se quiser uma coisa para ser mesmo bem feita neste país, dê a tarefa a uma mulher". Concordei tanto que me casei com uma portuguesa.
9. A curiosidade sobre, e o conhecimento, do mundo. A influência de "lá" é evidente cá, na comida, nas artes, nos nomes. Portugal é um pais ligado, e que quer continuar ligado, aos outros continentes do mundo.
10. Que o dinheiro não é a coisa mais importante no mundo. As coisas boas de Portugal não são caras. Antes pelo contrário: não há nada melhor do que sair da praia ao fim da tarde e comer um peixe grelhado, acompanhado por um simples copo de vinho.

Então, terminaremos a contemplação do país não com miséria, mas com brindes e abraços. Feliz Natal".

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Somewhere Over The Rainbow

Economia Informal / Corrupção

"Quando o incentivo à fuga parte de uma seguradora, ou de quem a representa, pergunta-se se a generalidade dos pequenos contribuintes prestadores de pequenos serviços não tem o dever de seguir o conselho."

Madrugada alta. Acidente de viação. Despiste e entrada desgovernada um quintal adentro e embate violento contra uma casa que serviu de estorvilho a voo até sabe-se lá onde. O condutor, parece que parente do dono da viatura de matrícula estrangeira, ficou com lesões de gravidade inversamente proporcional à braveza da alcoolemia. Não medida, mas cheirada por quem se apressou a dar apoio. Foi chamada a autoridade, mas não houve teste de alcoolemia. À vista das pessoas que se juntaram. Houve a autoridade, mas não havendo qualquer documento identificativo nem título de condução não deveria ter sido detido? Fim da madrugada e, com a presença da mesma autoridade e do condutor (agora parece que menos anuviado) foi içada a viatura da posição de abraço à casa.
O dono lesado, ficou sem qualquer documento de coisa nenhuma.
Alguns dias mais tarde foi fornecido pela autoridade um historial do sinistro onde é indicado o nome do condutor, a filiação e o dono da viatura. Terá, mais tarde sido feito o teste, porque diz no historial que tinha 0,00 g/l.
Curiosamente, logo que saiu da viatura, ajudado por um circunstante, ao ouvir que se sentasse que estava a chegar a ambulância e a autoridade ele disse bem alto que não, que não, porque tinha bebido. A bêbeda passa entretanto!
Para o caso da “Economia informal” estes detalhes interessam menos. Ainda que faça pensar.
O quintal e a casa sofreram danos. No dia seguinte conseguiu-se saber o nome da seguradora (estrangeira) e estabeleceram-se contactos com o representante em Portugal. Deu algum trabalho. Pediu-se a vistoria urgente, ainda que provisória. Alguns dias depois apareceu o perito. Viu os danos com pormenor, fotografou todos os locais danificados e sugeriu ao lesado que fizesse um orçamento para a reparação de tudo, mas muito bem discriminadinho. Assim foi feito. Tanto para estes materiais e tanto para mão-de-obra. Xis para aquelas peças e ípsilon para a respectiva aplicação. Uma meia dúzia de items e tudo bem explicado. Feita a soma, acrescenta-se, naturalmente, o IVA à taxa de 21%, como é de lei.
Manda-se tudo direito, uma via para o representante e outra directamente para o perito, como fora sugerido e alguns dias mais tarde, não muitos, mas depois de dois ou três telefonemas de insistência, veio uma carta que trazia logo um RECIBO DE INDEMNIZAÇÃO (Global e Definitiva) por todos os danos patrimoniais e não patrimoniais, etc e por aí abaixo, como é de praxe. Só que o importe do recibo era inferior ao orçamento numa verba considerável, se for termo comparativo a pensão do lesado, que é reformado. Sem nenhuma explicação. Podia muito bem dizer que o perito achou esta ou aquela verba do orçamento exagerada. Mas não. Nada. Mais um telefonema a saber da razão do tão grande corte. Do outro lado da linha vem a estapafúrdia informação de que não pagavam o IVA. Respondeu o lesado que então teria de arranjar alguém que fizesse as reparações por baixo da mesa. Que era problema do lesado.

Conclusão. Quando o incentivo à fuga parte de uma seguradora, ou de quem a representa, pergunta-se se a generalidade dos pequenos contribuintes prestadores de pequenos serviços não tem o dever de seguir o conselho. Poderão até dizer que, se tivessem incluído o IVA, a reparação sempre não seria facturada. Não se imagina se assim seria, ou até se assim foi. Mas fica aqui o desabafo.

José Pinto da Silva

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Plano e Orçamento Municipal - 2011

foto : ...eles,os políticos.

Cortes de 30 por cento para as associações
Maioria PSD aprovou Plano e Orçamento municipal para 2011. PS votou contra.
No próximo dia 30 há Assembleia-Municipal, pelas 20.30 horas, na Biblioteca.
Juntas de freguesia e, principalmente, as colectividades concelhias, vão sentir os "cortes" da câmara municipal, no próximo ano. Entre todos os pelouros, "o único em que aceitamos todas as sugestões dos responsáveis foi o da Acção Social. Todos os restantes têm cortes significativos", garante Alfredo Henriques.

Argumento que não convence os vereadores do PS, que pretendem da maioria "menos palavras e mais acção". Alcides Branco, António Bastos, Márcio e Correia votaram contra o plano apresentado. "Ficamos satisfeitos pelo presidente ter ouvido o apelo do PS em relação às verbas sociais, que deverão ser aumentadas em 2011, mas entendemos que a autarquia poderia ser mais rigorosa na sua gestão, porque não pode continuar a gastar quando tem verbas, significativas, em atraso às associações e fornecedores, para além da refeições escolares", afirma Alcides Branco.
Os "três anos de atraso em relação ao pagamento de verbas ao associativismo não têm explicação possível e daí o nosso sentido de voto. Temos que corrigir, pagar o que está em atraso, mesmo que isso implique outros sacrifícios e não se faça algumas actividades. O realismo deve estar acima de tudo. Se no próximo ano, essas situações estiverem corrigidas poderemos votar favoravelmente, acrescenta o eleito do PS.
Alfredo Henriques é de opinião que o "realismo já impera nas contas da autarquia".
Para 2011, não "haverá obras novas, apenas contratos que temos que cumprir, mas nada de grande monta. Falo de dois loteamentos, depois de acordos há algum tempo. O grande investimento continua a ser, em termos de valor, é o saneamento básico, com o futuro investimento na zona de Laje e Cáster, porque tudo o resto está em obra", constata o edil feirense.
Outra prioridade social-democrata passa pela continuação dos centros escolares. "Ainda com um valor substancial em 2011, sendo que há situações que sabemos que ficarão para 2012", resume.
O esforço "muito grande" vai no sentido de baixar a "dívida de curto prazo". No caso a "fornecedores, associações e juntas de freguesia. Fazemos um esforço muito grande, porque sabemos dos compromissos das juntas", advoga o líder do executivo camarário.
No global para as 31 juntas, "há uma diminuição de cerca de 200 mil Euros, com um esforço grande da nossa parte", releva. As associações sentirão, mais do que nunca, os cortes. "Falamos de cerca de 30 por cento".

Alfredo Henriques traz para a discussão os "17 milhões para venda de terrenos. Isto é um equilíbrio do orçamento, porque há dois anos, tínhamos 35 milhões, depois 20 milhões e passamos a verba para 17 milhões e meio. Há um esforço grande para chegarmos, no mais rápido espaço de tempo, para atingirmos o equilíbrio nas contas da autarquia", define.

"É tudo em cima do joelho"
O plano apresentado "enferma de vários defeitos", atira de imediato António Bastos, eleito pelo PS. Começa pelas receitas de mercados e feiras. "É caso para nos preocuparmos com receitas tão baixas para o peso que tem o nosso município. Significa que nada fazemos para tirarmos vantagens financeiras do mercado municipal e das feiras, pelas nossas freguesias. Chegou a hora de rentabilizarmos os espaços que temos", desafia o membro da oposição.
Depois da comparação realizada com Ovar e Espinho, que "tiram grandes proveitos das feiras e mercados. A Feira esqueceu-se, o que faz com que os feirenses procurem solução, muitas vezes, em feiras fora do concelho. Perdemos todos com esta realidade", ressalva.
Nas áreas do Urbanismo e Planeamento, esta câmara "não tem investimentos, tirando o PDM. Fica muito aquém, principalmente para as três cidades. Não existe um plano de pormenor em elaboração para as áreas centrais de Fiães, Lourosa e Feira". Algo que foi desmentido, de imediato, pelo titular da pasta, José Manuel Oliveira, eleito do PSD.
António Bastos é defensor de um "efectivo planeamento, para anteciparmos os problemas e não fazer as coisas em cima do joelho". Dá o exemplo da construção do Centro de Artes e centro comercial para o centro da Feira. "É um mau projecto, porque não existe um enquadramento positivo para a cidade. Apesar de nos dizerem que os problemas serão resolvidos em 3 anos, sabemos que isso não vai acontecer e vão permitir um monstro numa área decisiva para a cidade. Temos uma ideia bem diferente para as nossas populações", determina.
"Isto não é pensar o futuro de Santa Maria da Feira, será uma autêntica aberração na cidade. As cidades devem ser competitivas. Em Lourosa aconteceu o que aconteceu com a obra da farmácia, na Feira dos Dez. São vários os maus exemplos e, depois, queixam-se das pessoas não investirem aqui", acrescenta o vereador do PS.

O socialista Sérgio Cirino também diz não ao Plano e Orçamento. "Porque esquece o futuro, apesar das contingências do presente. Não contempla essa faceta", define.
Como é que se pode conjugar presente e futuro? Diga-me como" interroga Alfredo Henriques. O socialista começa pela necessidade de um "apoio aos munícipes, em relação ao pagamento para a adesão à rede de saneamento, na campanha da Indáqua. "Pagar o ramal é fazê-lo em relação a uma parte pública. As populações nem deveriam pagar o ramal. E quem tem sérias dificuldades? Quem não pode pagar, sequer, faseado? Não existe um plano efectivo, apenas a resposta da Divisão Social para os casos mais difíceis", preconiza.
Já se falou em fundo de apoio, mas "não há nada em concreto, para as pessoas não entrarem em paranóia, para direitos fundamentais para as pessoas".
Sérgio Cirino acrescenta propostas na Educação e Ambiente. Passa por criar uma "estratégica local para sustentabilidade ambiental. É o futuro da nossa terra. Consumos sustentado, uso de energias renováveis, a mobilidade sustentável. Falar com as nossas crianças sobre a importância da agricultura".
Programas com "custo, mas de grande investimento para o futuro", sugere.
Passos que passam por um "programa de intervenção cívica dos mais jovens. Para não se preocuparem, unicamente, em ter o telemóvel, mas sim com coisas que são importantes para a sociedade. Um programa em que eles sejam bombeiros por um dia. Propensão para serem voluntários mais tarde. Colocá-los voltados para as Artes de Rua e para outras realizações. Levar isso às escolas e às casas municipais da Juventude", precisa o socialista.
O futuro passa pelo "empreendedorismo juvenil, nos negócios e nas empresas. "Se tiverem uma formação de base, no futuro não sentiriam tantas dificuldades, para o nosso concelho ter um futuro diferente"", assevera.
Sérgio Cirino realça, ainda, a importância de um "orçamento participativo. De forma a pormos as pessoas do concelho a decidirem, em relação aos orçamentos. Para que os feirenses tenham um papel activo e sabermos ouvir os outros, também", ressalva.

"Juventude esquecida"
As sugestões de Márcio Correia passam pelas áreas da Juventude, Cultura e Desporto. "Com a política do PSD ficará tudo na mesma, sem qualquer melhoria. Os subsídios continuarão em atraso. Não haverá reforço na formação de jovens. Esta câmara PSD, no poder há 30 anos, prejudica as associações", critica.
O eleito do PS defende o investimento na prática desportiva e nos equipamentos e regularização dos subsídios que estão em atraso".
Na Cultura "existe nível qualitativo em eventos como a Viagem Medieval, ou Imaginarius. O que lamentamos, é a falta de formação cultural e artística no concelho", acrescenta.
Com a riqueza humana pelas 31 freguesias e participação das associações "não se percebe como se gasta tanto dinheiro em contratações de fora do concelho. Esta política fácil prejudica o concelho", diz Márcio Correia.
O PS indica a "criação de bolsa de criatividade/artística para o concelho. Deve ser a câmara a apoiar de base os projectos de formação", coloca em cima da mesa.
Os tempos são difíceis. "Não podemos aceitar que continuem em atraso as verbas para quem trabalha o concelho o ano todo e se continue a gastar em eventos, que poderemos colocar em causa. Suspenda-se o Festival para Gente Sentada e Terra dos Sonhos e se pague o que está em atraso", recomenda Márcio Correia.
Considera o Pelouro da Juventude "o mais pobre, sem que se aposte numa política jovem, com raízes e profundidade. A vereação do PS não pode aceitar este desleixo. Não se leva os jovens a criarem raízes na sua terra, a investirem, a arriscarem", preconiza.
Sobre a opção por uma grande pavilhão, no concelho, Alfredo Henriques não esteve com meias palavras. "A Feira não tem e ainda bem. Para quê gastar oito milhões de contos para receber um grande evento, de 2 em 2 anos. Comigo na câmara, é preferível fazer 3, ou 4 pavilhões, para os feirenses puderem praticar desporto. Essa é a política, essa é a escolha".
Entrou na moda "criticar a cultura do concelho, porque só fazemos coisas importadas. É a maior injustiça que se faz", afirma o edil feirense.
Para um dos eventos em curso na Quinta do Castelo, sobressai uma convicção. "Não há um tostão para a Terra dos Sonhos. Não é transferido um tostão. É auto-sustentado. É feira com gente do concelho", rebate.
Em relação ao pagamento da água e do saneamento, o autarca PSD não se conteve. "Existe um plano de apoio e está acometido à Divisão Social. Em casos difíceis, o pagamento pode ser alongado em três, ou quatro anos.
A verdade é que não ouço ninguém revelar preocupação com os custos que as famílias têm com a TV por cabo, por exemplo. É cinco vezes mais que o saneamento! Não podemos alimentar isso. É muito mais fácil essencial à vida pagar 18 Euros pela água e saneamento, do que 50 Euros, ou mais pela TV cabo", fecha o líder da câmara.

in Correio da Feira

domingo, 26 de dezembro de 2010

...no coments

Ministério da Justiça usou indevidamente dinheiro de processos judiciais

O Ministério da Justiça usou indevidamente mais de 326 milhões de euros relativos a processos judiciais para tapar o buraco nas contas de 2008 e 2009.
De acordo com o jornal Público, a situação foi detectada numa auditoria do Tribunal de Contas ao Instituto de Gestão Financeira e de Infra-Estruturas da Justiça que gere os recursos do Ministério.
Em causa está a utilização de verbas dos chamados depósitos autónomos, incluindo rendas e cauções, como receitas extraordinárias, sem garantir as responsabilidades perante terceiros.
O tribunal considera que foram violados vários princípios da contabilidade pública e não afasta a hipótese de sanções financeiras à direcção do Instituto.

porque hoje é Domingo...

sábado, 25 de dezembro de 2010

Votos de um bom Natal e próspero Ano Novo.

2[3] 1[3]

Fotos em anexo da Rua Joaquim Francisco Santos em Caldas de São Jorge.

Que 2011 traga mais consciência aos responsáveis por este loteamento.

Votos de um bom Natal e próspero Ano Novo.

Herminio Mota

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

O Pároco da Vila Termal ! Deseja a todos Boas Festas

O Pároco da Vila Termal de Caldas de São Jorge

E da Paróquia de Cristo Rei da Vergada
(Argoncilhe-Moselos)
Deseja a  todos Boas Festas,
Feliz Natal
E Próspero Novo de 2011.

FELIZ NATAL!


Edital





O Presidente da Assembleia de Freguesia de Caldas de S. Jorge faz público, de acordo com as disposições legais aplicáveis, que no próximo dia 29 de Dezembro de 2010, pelas 21.00 horas, na sede da Junta de Freguesia, se realizará a 4ª sessão ordinária da Assembleia de Freguesia com a seguinte ordem de Trabalhos:

I) Período antes da ordem do dia.

II) Ordem do dia:
a) Aprovação da acta da sessão anterior.
b) Analise e votação das opções do plano e proposta de orçamento para dois mil e onze.
c) Assuntos gerais de interesse para a freguesia.

III) Depois da ordem do dia:
a) Intervenção do público.
Para constar, se publica este e outros de igual teor, que vão ser afixados nos habituais lugares desta freguesia.

Caldas de S. Jorge, 21 Dezembro de 2010
O presidente da Assembleia de Freguesia
Paulo Valinho

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

...AO CORRER DA PENA

- PLANO DE (in)ACTIVIDADES
Vinha num jornal concelhio que, segundo declarações prestadas pelo respectivo presidente, o Plano para 2011“ não incluirá situações fora do habitual porque não há condições para as cumprir, atendendo à conjuntura económica e autárquica”. Que serão mantidas as premissas que orientaram o o Plano Activ. de 2010, com algumas nuances, principalmente no que respeita ao associativismo.
A grande pedra de toque para Caldas de S. Jorge, admite José Martins, poderá ser a conclusão da rede de saneamento na vila. Este avanço, crê o autarca, terá repercussão na qualidade ambiental, nomeadamente, do rio Uima que “é muito importante”.
Vou primeiro ao saneamento e atrevo-me a perguntar em que é que uma Junta de Freguesia é tida ou achada na execução do projecto de saneamento básico. Em que é que a Junta pode influenciar o andamento mais rápido ou a atraso mais lento. Diz respeito à Câmara que deve ter estabelecido com o executor um plano de execução e, havendo cumprimento, executa-se, doa ou não doa à Junta.
Fica, então o Plano de 2010, que não foi executado, logo, nem era preciso ter Junta e muito menos ter um presidente com emprego garantido. Só elevou os custos de exploração, apesar da conjuntura económica.
Como aborda a repercussão (do saneamento) na qualidade ambiental do Rio Uima, em que parece interessar-se, pergunto se porventura foi elaborado algum projecto para “conservação e reabilitação das margens e leito do Uima (rede hidrográfica do Douro) para se candidatar ao “FUNDO DE PROTECÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS – Pequenas Intervenções de Protecção e Valorização”. Aí está um trabalho que depende só de trabalho e não gasta nada do orçamento. Ainda está a tempo, pois o prazo de candidatura não terminou.
- JUIZES EM GREVE
O Presidente do sindicato (ou associação sindical) dos Juízes anunciou, na TV, que os juízes (órgão de soberania) encaravam a possibilidade de fazer greve. Claro que não dizem que é por ganharem pouco, nem dizem que é por causa dos descontos a que irão sujeitos, como todos os outros funcionários, dizem que é por uma questão de bom, ou mau funcionamento dos tribunais, e mais que tira e mais que põe. Podiam informar as pessoas de que 90% das maiores reformas pagas em Portugal são para juízes. Sempre acima dos 5 000,00 euros.
Logo … greve, pois claro.
- REFORMA ADMINISTRATIVA
Tem-se falado muito e muitas vezes da necessidade de ser feito uma profunda reforma administrativa que passará, entre outras medidas, por alterar profundamente o mapa de municípios e de freguesias no país. E emerge a pergunta: Fará sentido haver freguesias, com todas as estruturas, sede, funcionário, executivo de 3 elementos e assembleia de freguesia, de 7 ou 9 membros, em freguesias com 200, 300, 400, 500, 600, 700, 800, ou 1 000 habitantes ou mesmo eleitores? E fará sentido haver uma estrutura de Junta de freguesia nas sedes dos concelhos em que tudo é municipal? E aí o executivo terá 5 ou mais elementos, e a assembleia de freguesia também bem mais numerosa. Para quê os encargos com autarcas, com funcionários e com estrutura imóvel? E fará sentido que um concelho de uma só freguesia tenha a máquina de Junta de Freguesia?
Queixa-se muita gente de que, por questão de economia e melhoria de funcionamento, encerraram escolas com poucos alunos, maternidades com poucos partos, CAPs com pouco movimento. Acha-se que o Estado fez muito bem, mesmo tendo ouvido protestos de quem gostaria de ter parteira à porta, escola a 50 metros e médico quase em casa e dia e noite. E fechou alguma Junta de Freguesia? Quanto se pouparia se houvesse uma verdadeira racionalização autárquica?

José Pinto da Silva

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Caixas da EDP voaram na Rua da Colina do Sol!!

Caixas da EDP voaram na Rua da Colina do Sol!!
As Ruas Vizinhas correm perigo:
A Rua do Parque Desportivo e as ruas a montante
da Colina do Sol agora apagada!
Coitada!!!

Assembleia Municipal

A Assembleia Municipal de Santa Maria da Feira vai realizar uma sessão ordinária, no dia 30 de Dezembro, pelas 20h30, no auditório da Biblioteca Municipal, com a seguinte “Ordem do Dia”:


1 – Actas:
Acta N.º 7 – Sessão Ordinária de 30 de Junho de 2010
Acta N.º 8 – Sessão Ordinária de 24 de Setembro de 2010;
2 – Informação sobre a Actividade e Situação Financeira do Município;
3 – Alterações ao Regimento da Assembleia Municipal;
4 – Grandes Opções do Plano e Orçamento Municipal para 2011;
5 – Plano de Actividades e Orçamento para 2011 da Feira Viva, Cultura e Desporto, E.E.M. (para conhecimento);
6 – Mapa de Pessoal para o ano de 2011;
7 – Reorganização e Reestruturação dos Serviços;
8 – Proposta de alteração ao Regulamento Municipal de Urbanização e Edificação (deliberação da Assembleia de 30/06/2010);
9 – Regulamento de Taxas e Outras Receitas não Urbanísticas do Município de Santa Maria da Feira (deliberação da Assembleia de 24/09/2010)
- Rectificação da data da entrada em vigor;
10 – Adesão do Município de Santa Maria da Feira à ENERGAIA – Agência de Energia do Sul da Área Metropolitana do Porto;
11 – Aumento de Capital e alteração dos Estatutos da Feira Viva, Cultura e Desporto, E.E.M.;
12 – Venda de Terrenos à PERM – Parque Empresarial de Recuperação de Materiais das Terras de Santa Maria, EIM;
13 – Parque Empresarial de Recuperação de Materiais
- Isenção de IMT;
14 – Tarifário de Água e Saneamento para 2011;
15 – Calendário 2011 – Fixação de Preço (para conhecimento).
 
in Rádio Aguia Azul

domingo, 19 de dezembro de 2010

Mais uma vez a Festa do Natal da Criança acontece!

Mais uma vez a Festa do Natal  da Criança  acontece!
Pelas 14.30 horas -se o Salão de Actos do Centro Paroquial
de Juventude, Infância e Alegria!
É a festa de Natal
Iniciativa da Junta de Freguesia da Vila Termal
Da Juventude Inquieta,
Escuteiros
e muita boa gente!
 

Grupo Etnográfico " Saias Amarelas "

Uma vez mais se cumpriu a tradição!! Ceia de Natal dos nossos Escuteiros Agrupamento 901!

 
Ceia de Natal dos nossos Escuteiros
Agrupamento 901
Desta Vila Termal de Caldas de São Jorge.
 
Após a Eucaristia Vespertina do 4º Domingo do Advento
Teve lugar no Salão Paroquial o Convívio-Ceia de Natal Escuta:
Uma Ceia de Maravilha. 
Parabéns às Cozinheiras!
Presente toda a Comunidade Escuta.
Na Presidência o Chefe Jorge Santos,
O Assistente Pároco local Padre António Machado,
O executivo da Vila Termal e demais Convidados!
A troca e distribuição de prendas um sucesso!
Enfim uma Excelência!
Feliz Natal 2010
E Próspero Ano Novo 2011!!

sábado, 18 de dezembro de 2010

...porque já é quase Domingo.

Prémios PME´S Excelencia 2010


COLREIS, empresa sediada na Vila de Lobão, com uma ligação de proximidade a Caldas S. jorge desde á muitos anos, foi ontem premiada com “PME`S Excelência 2010”.
Como esta, muitas empresas da nossa Vila vão sendo casos sérios de sucesso, com altíssimos níveis de produtividade e inovação.
Contrariando uma comunicação social que optou pelo prisma do “negativo” para poder colocar o rotulo da "crise", que nos enche os noticiários.
Comunicação social que não devia esquecer-se de que, a sua sobrevivência depende também destes sucessos, devia ela também procurar valorizar aquilo que de melhor temos.

Parabéns aos vencedores.

...Sondagens

-Nova subida nas intenções de voto no PSD


De acordo com os resultados do Barómetro Político Marktest de Novembro, o PSD reforçou a liderança em termos de intenção de voto.

Segundo os dados do Barómetro Político da Marktest em Novembro o PSD voltou a liderar a intenção de voto dos portugueses, reforçando a percentagem dos que afirmaram votar neste partido nas próximas eleições para a Assembleia da República.

No mês de Novembro o PSD obteve uma percentagem de intenção de voto de 44.3%, a mais elevada desde Junho. Este valor significou um aumento mensal de 2,3 pontos percentuais e um aumento anual de 18,7 pontos percentuais.
O PS manteve-se como o segundo partido mais importante em termos de intenção de voto, tendo mesmo subido 1,8 pontos percentuais face a Outubro (chegando a Novembro com 26.9%). Ainda assim, esta percentagem foi 14,8 pontos percentuais mais baixo relativamente ao mesmo mês de 2009.
Apesar da quebra mensal de 1,1 pontos percentuais, o Bloco de manteve-se como o terceiro partido mais importante em termos de intenção de voto, com 8.7%.
O CDS-PP subiu à quarta posição com uma intenção de voto de 6.9% (menos 1,2 pontos percentuais relativamente a Outubro).
A coligação CDU (PCP/PEV) desceu para a quinta posição sendo a força política com menor percentagem de intenção de voto, 6.7%.

in Marktest

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

...opinião

COMO SE ESCREVE ...
Tenho expressado em diversos locais que, pelas competências diferentes que vão sendo atribuídas às autarquias locais, aos autarcas e aos candidatos a, deve ser exigida a formação mínima de modo a que, no que digam e no que escrevam, não desprestigiem os autarcas em geral e, em particular, a autarquia que representem.
Chegou-me à mão, sem que o procurasse, um ofício emanado da Junta de Freguesia de Caldas de S. Jorge, dirigido a um freguês e assinado pelo presidente, que envergonha a freguesia e envergonharia quem o deixou sair, se conseguisse aperceber-se dos erros de construção e dos erros ortográficos. Caberia dizer que, nos idos anos 40, o Prof. Carlos poria as mãos a doer.

José Pinto da Silva

...lá, como cá.

foto : Palhaço Tiririca
- Eleito com 1,3 milhões de votos, o humorista contou aos jornalistas que a prioridade do seu mandato será a educação


"O que faz um deputado federal? Na realidade, eu não sei. Mas vote em mim que eu te conto."
Foi com expressões como esta que o palhaço Tiririca se tornou famoso de um dia para o outro, de tal forma que acabou por ser o deputado federal mais eleito nas últimas eleições brasileiras: 1,3 milhões de votos. Na quarta-feira, na sua primeira visita à Câmara dos Deputados, Francisco Everaldo Oliveira Silva admitiu que já sabe o que faz um deputado federal, mas que ainda vai aprender "muito mais".
"Estou muito emocionado", admitiu Tiririca, que teve direito a uma visita guiada do líder do Partido da República na Câmara, Sandro Mabel. Trocando o fato de palhaço pelo fato e gravata, Tiririca despertou o interesse da imprensa e dos populares durante a sua visita (um apareceu mesmo com uma peruca de palhaço). Posou para fotos, cumprimentou quem passava mas recusou cantar a Florentina (o seu tema mais conhecido). "Só com cachê", afirmou.
Questionado por um jornalista sobre qual seria o seu primeiro projecto, a resposta "um apartamento" gerou um diálogo que mais parecia uma rábula de humor. O jornalista: "Não, um projecto para o povo?" Tiririca: "Qual povo?" O repórter: "O que te elegeu." O deputado: "Eu vou fazer muitas coisas." Mais tarde admitiu que a prioridade do mandato será a educação. Depois de eleito, Tiririca teve de provar em tribunal que não era analfabeto, tendo sido acusado de falsificar a declaração oficial de alfabetismo.
Apesar de receber hoje do Tribunal Eleitoral a sua diplomação, validando a seu eleição como deputado federal, Francisco Everaldo admite que não vai deixar a personagem de Tiririca. "Vou conciliar as duas vidas. [Mas não vou usar fantasias] porque aqui a coisa é séria", admitiu, citado pelo site brasileiro Terra.
Tiririca visitou a Câmara no dia em que os deputados aprovaram um aumento do seu salário na ordem dos 60% para o próximo ano, no valor de 26,7 mil reais (11,8 milhões de euros). "Acho bacana, acho legal. Dei sorte. Acho que é justo", afirmou.
in DN

Geração nem,nem !

INE: 16% dos jovens portugueses não estuda nem trabalha


Cerca de 314 mil jovens (16%), entre os 15 e os 30 anos, nem trabalha, nem estuda, de acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Esta amostra de população, conhecida como a «geração nem nem», atingiu, no terceiro trimestre deste ano, o valor mais alto de sempre e a tendência é para aumentar.
Há três anos, os jovens em idade activa mas sem ocupação eram menos 30 mil, adiantam os números, baseados no Inquérito ao Emprego, com estatísticas desde 2007. Os dados não mostram apenas os desempregados, mas também pessoas que não procuram trabalho, baptizadas de «inactivos desencorajados» pelo INE.
Nos meses de Verão, entre Julho e Setembro, a «geração nem nem», que não tem estudos nem trabalha, aumenta. Desde 2007, o INE contabilizou pelo menos 280 mil jovens desocupados nesse período, ultrapassando a barreira dos 300 mil no terceiro trimestre deste ano.
A antiga ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, diz que o problema é motivado por falhas na capacidade de atracção do sistema de ensino e falta de capacidade do mercado de trabalho para receber estes jovens. Para a ex-governante, em declarações à TSF, a formação é essencial para que a geração mais nova saia da crise.
in Diário Digital

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Convívio de Almoço de Natal com os (as) Jovens Mais Vividos ( as) da Vila Termal!!

 
Em Alegre Convívio de Almoço de Natal
com os (as) Jovens Mais Vividos ( as) da Vila termal
 Almoço de Natal é Notícia!
Como uso e tradição Almoço de Natal opíparo, bem recheado,
servido e bem merecido para os de mais idade do Centro de Dia
De Centro Social e Paroquial de São Jorge.
Alegria espelhada nos rostoa e nos olhares de quem tanto trabalhou
Em companhia de Ilustres e Insignes Convidados
Das Associações Culturais, Junta de Freguesia e Direcção do Centro Paroquial Fundaçãoe  Convidados de Honra da Câmara, Centro Médico, ADRITEM, Segurança Social de Aveiro e Governo Civil.
seguiram -se os discursos abertos pelo
Presidente da Fundação o Reverendo Pároco da Vila Termal António Machado,
E as sequentes intervenções do Senhor Presidente da Junta José Martins
Vereadora Cristina Tenreiro,
Doutora Laura Santos pelo Centro Regional de Aveiro
E Doutora Liliana do Governo Civil de Aveiro
Onde se salientaram os votos de boas Festas de Natal
e Feliz e Próspero Ano Novo 2011
e o Lançamento próximo da Primeira Pedra
do Lar de Noite do Centro Social Paroquial
e a inaugurar dentro de Ano e Meio!
De referir também dos lindos (as) criancinhas
ternurentas na distribuição de prendas para toda a gente!
Até ao próximo Ano!

SEGUIR O BLOG POR E-MAIL