sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Alfabeto

Enviado por : TOY STORY

4 comentários:

Toni disse...

TENTA ADIVINHAR...

1 - Qual é coisa, qual é ela,que é redonda como o Sol, tem mais raios do que uma trovoada e anda sempre aos pares?
2 - Qual é coisa, qual é ela,que atravessa todas as portassem nunca entrar nem por elas sair?
3 - Qual é coisa, qual é ela, que tem uma perna mais comprida que a outra e noite e dia anda sem parar?
4 - O que será, que será,que sendo preto ou branco,de noite é sempre pardo, escaldado, tem medo de água fria e dizem ter mais de oito vidas?
5 - Qual é coisa, qual é ela, que respira sem pulmões e tem pés mas não anda?
6 - Qual é coisa, qual é ela,que põe o mundo a dançar, tem notas e não é dinheiro?
7 - Porque é que as rodas dos combóios são de ferro?
8 - O que será, que será, que é feito de vidro e mostra tudo o que vê?
9 - O que será, que será,verde, branco ou amarelo, pode ser frade sem convento, quando não carrapato?
10 - O que tem dois pés, duas pernas e nada mais?



Soluções: 1. Roda da bicicleta; 2. Fechadura; 3. O relógio; 4. O gato; 5. A planta; 6. A música; 7. Se fossem de borracha apagavam as linhas; 8. O espelho; 9. O feijão; 10. Um par de meias.

Anónimo disse...

TRÊS COISAS...




- Há três coisas que jamais voltarão: o tempo, as palavras e as oportunidades.


- Há três coisas que podem destruir uma pessoa: a ira, o orgulho, o não perdoar.


- Há três coisas que nunca se devem perder: a paz, a esperança, a honestidade.


- Há três coisas que são de imenso valor: o amor, a bondade e a família.


- Há três coisas que é preciso segurar: o êxito, a fortuna, os sonhos.


- Há três coisas que desarmam qualquer pessoa: a sinceridade, o compromisso, o trabalho árduo.

Toni

Anónimo disse...

hoje escolha a letra xpto pois estou triste..
grande galo ontem à noite nem dormi.
Toni

Anónimo disse...

AO PÔR DO SOL...



“Lentamente, bem devagarinho, a lua caminhava ao encontro do mar, como um íman a chamar para si o metal. Uma esplêndida paleta de cores douradas se transformava em fogo, enquanto tu e eu assistíamos a este belo espectáculo…Nunca tinha visto um “pôr-do-sol”, tão lindo, mas este foi tremendamente lindo, quase que sobrenatural, ver o sol a transformar-se, para se derreter na linha eterna de um horizonte longínquo. Ao encontro dele iam as ondas, puxadas lentamente pela força do seu inabalável poder, caminhando quase que sem rumo, rendidas à sua sorte desconhecida. Estava a teu lado, contemplando esta doce maravilha, sussurrando aos céus para que esse momento nunca mais terminasse, murmurando contra o vento para que prolongasse esta doce harmonia… Desejava perder-me em ti, apoderar-me de ti, amparar-me em ti, esperava que tivesses a cura para a minha solitária alma… Queria curar-te também da tua solidão, solidão fechada dentro de ti, igualmente fechada dentro de mim. Quando olhava para ti, via a tua alma através do espelho reluzente e puro do teu olhar imaginário e presente… Pediste-me paciência, tempo, espaço para pensar… No fundo também eu precisava desse mesmo espaço, tempo e paciência para por em ordem tudo o que sentia até ao momento. O vento tocava uma melodia gelada e tremíamos ferozmente, até que tu me abraçaste. Todo o frio sentido até esse momento desaparecera, dando lugar a um doce calor, como se fosse uma lufada de ar fresco invadindo todo o nosso ser, fazendo-nos renascer para a vida, fazendo-nos crer numa nova vida. A chuva dourada de uma vã felicidade espalhava-se pelo ar. A voz esfumava-se, aproveitava-se cada momento para reflexão, para a enganosa antevisão de uma alegria inocente. E pudesse eu arranjar maneira de fazer congelar o tempo, fazê-lo parar, somente para ficar contigo… Entraste na minha vida por um acaso, e por instantes trouxeste-me novo alento e desejo de continuar em frente, sabendo que tu estarás a meu lado onde quer que estejas, mesmo sem te ver, mesmo sem te tocar. Sabendo apenas que o meu coração bate juntamente com o teu numa longa sinfonia, apesar da grande distância que nos separa, que nos torna amargos, fazendo-nos pensar que a vida é dura e cruel… Agora vejo o fantasma desse momento a passar a frente dos meus olhos, sentindo a linha ténue do mundo real e do imaginário se romper, fazendo-me voltar para essa noite, noite em que te senti junto a mim, noite em que renasci para a vida, noite em que o presente prevaleceu acima do futuro tenebroso e sombrio… Mais uma vez, o sol se pôs sobre o mar, soltando mechas de fogo reluzentes entre a negra escuridão; as estrelas iluminavam-nos o caminho, guiando-nos pelo longo percurso desconhecido que nos aventurávamos a trilhar… Agora existe apenas a pura magia do momento imaginário, um olhar perdido, a loucura agridoce de um beijo esquecido, enterrado na areia, levado pelo mar".

Ana Paula Magalhães

Publicado por Toy Story

SEGUIR O BLOG POR E-MAIL