sexta-feira, 21 de junho de 2013

Culturas emergentes juvenis…9.ª Jornada da Pastoral da Cultura

Culturas emergentes juvenis…
Os Jovens dos 15 aos 25 anos pertencem a uma geração…
em que os pais quiseram dar aos filhos “tudo o que não tinham tido”…
(brinquedos,
jogos,
telemóveis de última geração,
computadores ligados à internet,
que podiam dar para estudar
e aprender e servem para se distraírem,
gastar o tempo tão precioso da suas vidas)
…” muitos jovens cresceram numa
“educação familiar onde, com a melhor das intenções, estiveram ausentes os ‘nãos’…
( proibir dizer não…
proibir o proibir)
e foram aplanadas as montanhas das dificuldades”
( tudo sem espinhas,
sem osso,
sem dificuldades e até um cristianismo sem Cristo
e um Jesus sem cruz).

No mundo da escola, prosseguiu, houve “uma pedagogia que afinou demasiadas vezes por idêntico diapasão”,
( Os (as) estudantes não interessa que aprendam, que saibam, importa sim passar para engordar a estatística!)
 desvalorizando o “esforço”,
que chegou a ser confundido com um “potencial elemento traumatizante”.
( O aparecimento de novas doenças
e terminologias:
stress,
sobredotados,
acompanhamento psicológico,
bullying escolar,
mecanismo psicológico de autodefesa = mentira,
roubo = mudança de dono que só é feio e crime quando se é apanhado,
hiperactivo,
etc.)
“A aprendizagem assumiu contornos lúdicos
que disfarçaram a normal necessidade de trabalhos”
( deu-se mais importância ao aspecto lúdico
do que ao estudo, esforço e aplicação)
….“Nós, mais adultos, família e escola, demos o nosso contributo às marcas de uma formação que não é certamente a mais adequada para enfrentar os tremendos desafios de uma sociedade que entretanto se desregulou, baralho, faliu”…
Incapacidade dos adolescente e jovens, no geral,
para trabalhar,
criar empregos,
indústrias
 e comércios…
Frases de D. Pio Alves  na
9.ª Jornada da Pastoral da Cultura
«culturas juvenis emergentes»


3 comentários:

Anónimo disse...

Os jovens e adolescentes dos nossos dias
Foram educados (“deseducados”)
no meio da abundância, facilitismo,
despesismo e materialidade num ambiente de permissividade,
mimo e capricho!
Sempre roupas e caçado de marca…
E mesmo a Fé cristã foi-lhes “dada” por vaidade,
comodismo
e sinal de riqueza,
Incluindo os sacramentos
e caminhadas da Fé!
Nunca lhes faltou o telemóvel
e de última geração.
A play station para metralhar, cortar pescoços
e dependurar “ inimigos”,
a internet,
mensanger,
facebook, para "matar" o tempo,etc,
Mas não sabem o que é terço,
a Bíblia
e a miséria do terceiro mundo
e o fundamentalismo islâmico!

ATM disse...

Para muitos jovens e dolescentes
Igreja cheira a mofo,
a culto pelos defuntos
no meio de muita cangalhada ligada a exéquias,
funerais,
procissões mais
ou menos idiotas
e de idas
e vindas do cemitério.
E depois o recurso da ida à Igreja para demonstrações antiquadas e chatas de vaidade
e de riqueza idiota
para baptismos,
comunhões,
casamentos,
crismas
e funerais!

Anónimo disse...

EU PENSO QUE 90% DOS JOVENS NÃO TÊM RELIGIÃO, ISTO É PARA ELES NÃO EXISTE DEUS, É VIVER PARA MORRER UM DIA E ACABA TUDO, OS SACRAMENTOS A SANTA MISSA AS PROCISSÕES E ATÉ OS FUNERAIS NÃO LHE DIZEM NADA É PENA MAS É A REALIDADE.
AGORA SE FOR UMAS NOITES NO FACE OU NO APEADEIRO OU OUTRO QUALQUER ONDE METE GANZA, ÁLCOOL E TABACO ISSO É PORREIRO PÁ, NÃO HÁ EMPREGO PARA OS NOSSOS JOVENS PORREIRO PORQUE A MAIOR PARTE TAMBÉM NÃO QUER TRABALHAR, PARECE A GERAÇÃO DOS MARRETAS.

SEGUIR O BLOG POR E-MAIL