segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Ainda o Reverendo Padre Domingos Moreira: Um Testamento, Uma Biografia e Uma Bibliografia.

Excelentes, brilhantes testamentos:
Baden Powell,
Papa Paulo VI,  
JOÃO PAULO II
Padre Domingos Moreira não fica atrás.
Testamento do Reverendo Padre Domingos Moreira, 
Digníssimo Abade de Pigeiros e não só.
É um assunto de que várias pessoas me têm falado. Recentemente o Prof. De História de Arte, da Faculdade de Letras de Coimbra, Dr. Nelson Correia Borges, no seu estudo de antropologia cultural sobre o culto da Senhora da Boa Morte, ainda florescente no século XVIII, cita nas páginas 6 e 7 as sugestivas palavras do Pe. António Vieira nos seus sermões, edição Lello e Irmão, Vol. II, 1959, 187-188: “A morte tem duas portas: uma porta de vidro por onde se sai da vida; outra porta de diamante por onde se entra à eternidade. Entre estas portas se … se acha subitamente um homem no instante da morte, sem poder tornar atrás nem parar nem fugir nem dilatar senão entrar para onde não se sabe e para sempre […]”. 
Aristóteles disse que entre todas as coisas terríveis a mais terrível é a morte. Disse bem, mas não entendeu o que disse. Não é terrível a morte pela vida que acaba mas pela eternidade que começa. Não é terrível a porta por onde se sai, terrível é a porta por onde se entra. Se olhais para baixo, um precipício que vai parar no inferno. É tudo incerto” e, cristãos, “se quereis morrer bem” “morrei em vida moralmente”.
Depois desta introdução, escrita com alegria ao som da banda musical minhota, irei começar.

Em nome de Deus, Amén.
A minha vontade, Padre Domingos de Azevedo Moreira, após conversações com os sobrinhos com quem vivo, e com o seu consentimento, é que a minha biblioteca seja cedida a uma instituição que me dê garantias da sua segurança, conservação, dinamização, de forma que esta seja sempre uma biblioteca viva. Assim, decidi ceder, como cedo, a minha biblioteca ao Município de Santa Maria da Feira nas seguintes condições:
a)      Biblioteca especial (cujo critério de selecção será feito pelo meu testamenteiro): contém os exemplares mais valiosos. Quero que estes sejam instalados em caixa-forte em condições de conservação adequadas a cargo da Câmara Municipal.
b)      A restante biblioteca (livros, revistas, jornais, fotocópias, apontamentos, objectos musicais, discos, etc.) será alojada em sala (ou salas) própria (s), com o nome do doador na porta da sala – P. Domingos de Azevedo Moreira, Abade de Pigeiros. Será instalada no pólo de Pigeiros, depois de estar a casa pronta (em Pigeiros). O espólio será acessível ao Declarante e aos seus dois sobrinhos (MARIA DE FÁTIMA DE PINHO MOREIRA MAGALHÃES E MARIDO) em cuja casa vivo. Falecendo um e outros, cessa o direito de fruição.
Quanto a cuidados: gostava que fosse criado uma espécie de CONSELHO PEDAGÓGICO com o objectivo de conservação e dinamização da biblioteca para que esta não se torne num mundo fechado. Do citado CONSELHO farão parte a minha sobrinha MARIA DE FÁTIMA DE PINHO MOREIRA MAGALHÃES E O SR. VEREADOR DA CULTURA da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira).
Por questões de segurança ou outras, o espólio pode ser transferido provisoriamente da residência de Pigeiros para instalações em Romariz. Os trabalhos de inventariação poderão ser iniciados de imediato por pessoal a indicar pela Câmara Municipal, sendo minha vontade que a minha sobrinha Fátima e seu marido integre essa equipa.
Nomeio como testamenteiro o meu condiscípulo, Dr. Cândido dos Santos.
O  Reverendo Pároco de Pigeiros Domingos A Moreira
”Deixa um espólio internacional único”
Uma biografia publicada numa das suas obras  “Capela da Senhora das Necessidades em Nadais: Escapães, editada pela Liga dos Amigos da Feira refere que o saudoso extinto nasceu em Romariz
(Santa Maria da Feira) a 8 de Abril de 1933
mas foi registado em Escariz  (Arouca) com o nome de Domingos Moreira de Azevedo como consta do baptismo (também em Escariz)
e ainda da própria cédula do Registo Civil que mais tarde raspou o nome para inverter a ordem dos apelidos para a actual sequência
de «Domingos de Azevedo Moreira» (Domingos A. Moreira).
Viveu em Escariz (em Vale de Lameiro) apenas o primeiro ano de idade.
Era filho de Manuel José Moreira (de Escariz) e de Laurinda Moreira de Azevedo (da família dos Moreiras da Reguenga de Romariz).
Seguidamente, após esse primeiro ano de idade, passou a viver junto de Cabeçais, numa quinta do Couto que era o extremo Sul da freguesia do Vale (Santa Maria da Feira) onde os pais eram caseiros de lavoura.
Aqui viveu até aos 18 anos de idade, tendo sido a sua vida repartida simultaneamente por 4 freguesias: a vida religiosa
(missa dominical, catequese, Comunhão Solene, ida para o seminário, etc.) foi toda na freguesia de Fermedo (Arouca) a que Cabeçais pertencia;
a vida de trabalho na lavoura como auxiliar dos pais,
além da freguesia do Vale a que pertencia o local do Couto,foitambém nas propriedades do pai na freguesia de Escariz, no lugar de Vale de Lameiro e no sítio do Castelo,
entre o lugar da Abelheira (de Escariz) e a freguesia de Mansores;
a vida escolar foi toda na freguesia de Romariz (1ª e 2ª classe numa sala alugada, do lugar do Carvalhal e a 3ª e 4ª classe da escola primária na escola oficial, junto à igreja de Romariz onde hoje é a residência do pároco);
a reduzida vida civil foi na freguesia do Vale quando ia, no período do racionamento alimentar na época da Segunda Guerra Mundial, buscar, com uma senha oficial, os géneros de mercaria ao lugar de Cedofeita.
Aos 18 anos de idade passou a residir em Romariz (no lugar da Reguenga) até à conclusão do Curso de Teologia, na diocese do Porto, em 1958.
Foi Pároco em Oliveira do Douro - estágio seguido de titularidade transitória.
Seguiu-se a paróquia de Pigeiros, durante cerca de 50 anos.
Foi ainda Pároco das Caldas de S. Jorge durante meio ano  (1978-1078)
e administrou ainda a Paróquia de Guizande 10 anos.
Foi professor no Extemato Castilho de S. João da Madeira
e deixou uma vastíssima obra publicada,
ficando aqui alguns exemplos:
Freguesias da Diocese do Porto.
Elementos Onomásticos Altimedievais”;
Documentos históricos sobre Pigueiros-Feira : documentos inéditos post-medievais;
António Moreira de Azevedo : facetas da sua vida. S. João da Madeira; Nossa Senhora do Pilar em Portugal. Vila Nova de Gaia;
A propósito do topónimo Minhãos Santa Eulália — Arouca;
Significado etnográfico da festa dos pardais em Pigeiros (Feira);
O aeronauta francês capitão Emilien Castanet em Pigeiros (Feira); 
Freguesias da diocese do Porto;
Nótulas históricas sobre Pigeiros (Feira);
Capela de São Tomé em Oliveira (Vale-Feira);
Freguesias da Diocese do Porto : elementos onomáslicos alti-medievaiš;
Problemática linguística do Topónimo “Brantães” (Sermonde-Gaia); 
Capela da Senhora dos Remédios em Romariz;
Freguesias da diocese do Porto : elementos onomásticos alti- medievais; 
Uma vida à busca de Deus [Texto policopiado];
Fermedo, aspectos da sua histó- ria / Alfredo G. Azevedo e Domingos A. Morei- ra.;
Alfena / Domingos A. Moreira, Nuno António Maria Cardoso; Enquadramento Onomástico de “Meinedo” (Lousada);
Educação e sexualidade : o problema sexual à face  « da decência e da moral";
Nótulas históricas sobre Pigeiros (Feira);
Elimologia de “Portugal”;
Centro Pastoral de Nossa Senhora da Paz em Alfena / Nuno A. M. Cardoso, Domingos A. Moreira, Do- mingos Jorge do Aido;
 Celso Cardoso;
Misœlânea de antropotoponímia germânica na Galiza e Norte de Portugal; Santa Maria de Pigeiros da Terra da Feira;
Imitação de Maria / trad. Domingos A. Moreira;
Vila do Conde produtor de milho;
Capela da Senhora das Necessidades em Nadais;
Rio Durius/Douro no quadro da sua problemática linguística;
Estudo onomástico sobre alguns rios a norte e sul do Douro;
Infelicidade e esperança  ( Santo  Isidoro de Sevilha ;
Imitação de Maria / trad. Domingos A. Moreira.
Desde a fundação da Revista Villa da Feira o Padre Domingos Moreira enriqueceu-a com os excelentes artigos deixando para a posterioridade estudos desenvolvidos ao longo de toda a sua vida,
demonstrando o grande conhecimento científico capaz de ombrear com grandes eruditos. ( Do Correio da Feira)
De referir ainda dois livros
Que tencionava publicar em Português:
“ A imitação dos Anjos”
“ A Vida de Cristo de Ludolfo da Saxónia.

4 comentários:

Anónimo disse...

HOMEM DE TALENTO ÚNICO.

José Pinto da Silva disse...

Ainda me não informei ao detalhe, mas cheira-me que a Junta de Pigeiros acabou por ficar defraudada relativamente à titularidade do espólio documental. Vou tentar saber um pouco mais.

José Pinto da Silva

Anónimo disse...

de facto éra um bom homem

anabela tavares

Anónimo disse...

Sem duvida éra, foi,e sera para senpre ,com muita ademiraçaõ um grande homme

SEGUIR O BLOG POR E-MAIL