quinta-feira, 30 de junho de 2011

Dentro em breve vai ter lugar a Bênção e o Lançamento da Primeira Pedra do Lar da Noite do Centro Social Paroquial desta Vila Termal de Caldas de São Jorge!!

Tudo leva a crer que dentro em breve vai ter lugar o lançamento da Primeira Pedra do Lar da Noite do Centro Social Paroquial desta Vila Termal de Caldas de São Jorge.
 
Entre os dias 15 e 28 de Julho de 2011 acontecerá o Evento!

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Dia 23 de Junho – Festa Corpo de Deus ! Festa da Comunhão Solene (Primeira Comunhão)

 Dia 23 de Junho – Festa Corpo de Deus !
Festa da Comunhão Solene (Primeira Comunhão) dos (as) meninos (as) do 3ºAno da Caminhada Catequética da Vila Termal de Caldas de São Jorge.
Parabéns aos meninos e meninas, aos pais e mães e catequistas!
A Igreja matriz tornou-se pequenina para conter tão grande número de participantes.
Alegrou-nos a presença do Reverendo Padre Valdemar Baptista que conjuntamente com o Diácono António Avelino  deram início à Celebração depois finalizada e presidida pelo Reverendo Pároco local que entretanto havia chegada da Vergada onde presidiu á Celebração da Festa da Fé continuada e levada a bom termo pelo Diácono Joaquim Santos!
Um inesquecível para sempre recordar!

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Douro acima e Douro abaixo um espectáculo deslumbrante!

Um Portugal Desconhecido à Sua Espera!
Douro acima e Douro abaixo um espectáculo deslumbrante!






Um Portugal Desconhecido à Sua Espera!
Douro acima e Douro abaixo um espectáculo deslumbrante!
E depois Alpendorado
e Matos
no Marco de Canavezes:
A terra da Pedra Granítica.
e do famoso Museu do Granito!

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Os católicos não praticantes - RUI OSÓRIO - Voz Portucalense


Os católicos não praticantes - RUI OSÓRIO - Voz Portucalense

Num país tão sociologicamente cristão como Portugal, é frequente ouvir quem diga, com toda a naturalidade, que é católico não praticante.
É próprio de quem diz acreditar mas não põe em prática a fé.
A justificação desse comportamento varia de caso para caso, embora o mais comum seja o facto de as pessoas organizarem a sua vida sem tempo nem modo para quaisquer expressões religiosas.
Noutros casos, as pessoas têm conhecimentos tão superficiais da sua religião que qualquer pretexto lhes serve para deixar de a praticar. Outros conservam sazonalmente alguns actos sociais associados a rituais religiosos em alturas concretas, por exemplo,
baptismo dos filhos,
bênção das pastas dos finalistas universitários
ou sétimos dias da morte de familiares.
Será possível e lógico crer sem praticar?

Há quem deixe a prática religiosa e justifique que isso se deve ao desejo de mais autenticidade.
São os que dizem que não gostam de normas e de ritos.
Preferem a sua” religião “mais espiritual”
e avessa a estruturas.
Parecem-se mais a anjos do que a pessoas comuns.
É normal que os anjos não precisem de sinais, gestos e palavras para se comportarem como anjos.
As mulheres e os homens, porém, não são assim tão angelicamente espirituais.

Não se pode querer uma fé sem gestos, com a desculpa da busca de mais autenticidade.
Deus Pai enviou-nos o seu Filho, que habitou entre nós.
Algumas bíblias, em vez de traduzirem o acto descrito pelo evangelista João, na forma clássica — “e o Verbo se fez carne, e habitou entre nós”, preferem a expressão “e armou a sua tenda no meio de nós”, para expressar a ideia de que Deus, em Jesus Cristo, passou a morar numa tenda ao lado da nossa.

A fé (creio)
e a vida (não pratico) não podem estar tão separadas.
Por sua própria natureza, devem estar unidas.
Uma fé sem obras é morta:
Obras, mesmo muito piedosas sem fé tornam-se vazias.

De tudo isso já se deram conta os bispos espanhóis.
Entendem que o número de crentes que vivem à margem da fé
se deve “à secularização,
à indiferença religiosa
e à superficialidade” da sociedade.
Dizem-no na sua mensagem para o Pentecostes, que, em Espanha, foi o Dia da Acção Católica e do Apostolado dos Leigos.

Afirmam que os baptizados
que “não se interrogam sobre o sentido da existência”
acabam por ser “presas fáceis do relativismo
e do subjectivismo”,
porque não querem ter critérios diferentes dos não crentes.
Deixam-se levar com facilidade
pelo “culto do dinheiro,
do prazer
e do poder”,
afastando-se de Deus
e da Igreja que os gerou para a fé.
São cristãos que “se fecham à transcendência
e ao amor ao próximo”.
Tentam, ingloriamente, “viver a sua fé em Deus,
sem renunciar aos critérios do mundo”,
caindo no “individualismo religioso”.

São cristãos desses, também entre nós, que precisam de nova evangelização, urgente e criativa.
*conegoruiosorio @diocese-porto.pt

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Dia 14 de Junho pelas 20.00 Abertura Oficial e Inauguração de um Novo Espaço de Restauração desta Vila Termal!


Dia 14 de Junho pelas 20.00 Abertura Oficial
e Inauguração de um Novo Espaço de Restauração desta Vila Termal!
Com a Presença de inúmeros e prestigiosos convidados mormente o Senhor Vereador Emídio de Sousa, Dra. Teresa Vieira, Presidente da Junta de Freguesia, o Senhor José Martins, Pároco Local e muitos outros representantes de colectividades, instituições e serviços deu-se início com o descerramento da lápide alusiva ao evento seguida de um excelente serviço de restauração.
Parabéns.
Depois de um ensaio prévio de abertura no dia 6 de Junho incluindo bênção teve lugar a Abertura Particular e Familiar  deste Espaço Bem Conseguido de Restauração.

 
Excelente projecto da Autoria
do Jovem Arquitecto Local
Pedro Nuno Castro e Silva.
( Fotos cedidas via Facebook.com da autoria de Dona Beatriz Ferreira)

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Ora cá está um artigo pertinente da autoria do Senhor Cónego Rui Osório da Diocese do Porto.


Catequese familiar é urgência pastoral - RUI OSÓRIO
Para serem elas mesmas, as crianças, crescendo para a vida, também se comportam consoante as responsabilidades que os adultos têm nelas e com elas.
A catequese tem manifestado boa vontade e competência metodológica e pedagógica nos três primeiros anos para levar as crianças à experiência sacramental da sua primeira comunhão.
A minha dúvida de pastor é se Jesus é o verdadeiro centro dessa prática das crianças. tendo em conta que as devemos deixar ser crianças e reconhecer e valorizar a sua capacidade para viver o mistério divino da presença viva de Jesus no coração das suas vidas.
Tenho visto tantas primeiras comunhões a ser as últimas, embora outras crianças ainda resistam mais alguns anos para a sua profissão de fé. Mais raramente, outras preparam-se para o Crisma.
Tantas outras ou mais entram em crise de fé, porque os sacramentos da iniciação cristã não criaram raízes.
As primeiras comunhões correm o risco de ser apenas meros ritos sociais, nem sempre festivos e algumas vezes parolos, ou pretexto para desmedida exibição económica. Façam o teste às crianças que fizeram a primeira comunhão e vejam quantas descobriram o valor da Eucaristia, a ponto de participarem habitualmente na missa dominical, incluindo nas férias, para crescerem na fé, com o pão da Palavra de Deus e o Corpo de Jesus. Até os pais e, se calhar, os catequistas se esqueceram que a prática dominical da Eucaristia é fundamental para a vida cristã.
Desculpem este meu reparo sem endereço para quem quer que seja, simples desabafo pastoral. Não, não estou tão pessimista como o teólogo espanhol José Ignacio González Faus, quando diz que Maio é o “mês dos sacrilégios”, referindo-se às primeiras comunhões à espanhola. Lá, as meninas da comunhão, “guapas”, ataviadas a gosto e ao preço de El Corte Inglés, parecem princesas e os meninos vestem fardas de garbosos almirantes.
Temo, isso sim, que esteja a crescer o descrédito sacramental da Igreja, com muita pompa e circunstância. Por favor, não especulem. Garanto-vos que os dois grupos de primeiras comunhões na Foz do Douro foram poemas de simplicidade.
O que verdadeiramente lamento, depois de anos e anos de catequese da infância e da adolescência, é a falta da descoberta de Jesus Cristo e da Sua mensagem de salvação. Lamento, mais ainda, a escassíssima implicação dos pais na educação cristã dos seus filhos.
Se os pais não forem os primeiros catequistas dos seus filhos. a primeira comunhão e o gosto pela Eucaristia desvanecer-se-ão rapidamente. Os pais não precisam menos de uma catequese familiar do que os seus filhos. Talvez assim, se possa passar de uma catequese centrada nos sacramentos para uma catequese entendida e praticada como processo estável de educação na fé, desde que os pais sejam os primeiros e permanentes catequistas que os seus filhos tanto precisam.
Comentário:
Ora cá está um artigo pertinente da autoria do Senhor Cónego Rui Osório da Diocese do Porto.
Mais do que as Crianças, Adolescentes e Jovens precisam os Pais de uma Caminhada de Fé a par e paralela aos seus (suas) filhos (as), herdeiros (as)  natos (as) de direito dos bens da fortuna, da Fé e da Crença.
De facto é lamentável e gritante a falta de acompanhamento dos estudantes por parte da maioria dos Pais e Encarregados de Educação nas Escolas. Redundando os “desacompanhados” em drogados, marginais, criminosos e larápios que enchem os Noticiários Televisivos e Jornais do nosso País e não só !!!
De louvar e engrandecer os Pais ( e Mães) e Encarregados de Educação que acompanham os seus (suas) filhos(as) e educandos (as ) nas Escolas e fazem a mesma questão e empenho no seguimento da Caminhada da Fé e Crença dos mesmos!
PARABÉNS!
Por vezes os “acompanhados (as)” pregam partidas no futuro das suas vidas aos seus progenitores  e encarregados de educação… mas os “desacompanhados (as)”, estes pregam de certeza as ditas partidas, a não ser que haja  grande milagre ou os mesmos achem-nos tão ordinários e incapazes que se arrependem em imitá-los e segui-los!!!
Felizmente que já a grande maioria faz a Caminhada de Fé dos 10 Anos.
Culminando na recepção exemplar do Crisma ou Confirmação!
A estes também Parabéns!
De facto é banal, parolo e redutor levar os Meninos e Meninas à Primeira Comunhão ( Comunhão  Solene) não como em Espanha : (“guapas”, ataviadas a gosto e ao preço de El Corte Inglés, parecem princesas e os meninos vestem fardas de garbosos almirantes) mas sim os meninos vestidos de gatos aferrolhados e as meninas de gansas, peruas ou pavoas! É mau gosto e uma humilhação para os mesmos no uso de uma indumentária inútil, desajustada, humilhante que não serve mais para o futuro ou seja pelo menos para os próximos dois anos!
E então o que dizer da Profissão de Fé que apanha as Crianças na fase inicial da Adolescência vestindo as Meninas de Noivas Enjeitadas, sem Noivo Acompanhante e com vestidos emproados dando-lhes o cariz e ambiência humilhante das ditas gansas, peruas e pavoas desajeitadas… ou dos meninos de noivos aferrolhados de pescoço no ar à procura da noiva que não têm, nem pensaram. Humilhação propositada! Pretensiosismo desajeitado!
A Primeira Comunhão ( Comunhão  Solene) é entrada solene do(a) Crente na participação Comunitária na Paróquia, na Eucaristia ( GRANDE ORAÇÃO POR EXCELÊNCIA!!)
A Profissão de Fé é prometer ser adulto na Fé, na Crença recebida de modo incipiente no Baptismo e tornar responsável e independente na Fé e na Crença dos Pais e dos Padrinhos!
Os restantes quatro são pôr em prática a Fé e a Crença professada culminando no Crisma ou Confirmação completando assim a INICIAÇÃO CRISTÃ
Para produzir frutos, na Igreja, Família e Sociedade! Ser verdadeiramente soldado pronto de Jesus Cristo Rei e Nosso Chefe.
 

SEGUIR O BLOG POR E-MAIL